Novo inimigo após cada atentado: Rússia é alvo da mídia de Erdogan

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

16 de março de 2016.

O jornal pró-governamental turco Star alega que a Rússia tem algo a ver com o recente atentado ocorrido em Ancara, indicando mesmo o presidente Vladimir Putin como culpado. Vejamos os fatos.

Na publicação do jornal turco, os autores apontam categoricamente a Rússia… não citando nenhum fato ou prova. Artigos semelhantes aparecem com regularidade em edições fiéis ao governo da Turquia.

O artigo, intitulado "A mão de Putin", diz que “não é coincidência que o segundo atentado em Ancara tenha acontecido na véspera da visita do presidente Erdogan ao Azerbaijão”. Os autores relacionam mesmo o atentado ocorrido na capital turca nos finais da semana passada com a alegada promessa de vingança pelo avião russo abatido. 

Condolências? Muito suspeito! — Hipócritas? Pode ser!

O jornal considerou as condolências que o presidente Putin ofereceu à Turquia como “suspeitas” porque foi o primeiro dos líderes mundiais a enviá-las.

Ora, no verão do ano passado (inverno no hemisfério sul), Vladimir Putin também foi o primeiro a expressar condolências após o atentado perpetrado em Ancara durante uma manifestação pacífica. Na altura, o mesmo jornal avaliou as ações de Putin como positivas.

Atentado em Reyhanli: vamos culpar a Síria?

Um dos atos terroristas mais sangrentos na história da Turquia atual aconteceu em Reyhanli, na província turca de Hatay, localizada junto à fronteira com a Síria. Após o atentado, Erdogan declarou que “este foi um trabalho da liderança síria, temos documentos e dados provando isso”. Segundo a chefia turca, o ataque tinha alegadamente por alvo minar o processo pacífico da situação com os curdos. Após a declaração, a mídia começou a campanha anti-Síria.

Mas os dados da inteligência tornados públicos mais tarde mostraram um fato interessante: as autoridades da Turquia sabiam da preparação do atentado, mas nada fizeram para o evitar.

Atentado em Suruc: quem é o próximo a culpar?

Um homem-bomba fez-se explodir na cidade de Suruc, durante um encontro da juventude curda da Federação de Associações da Juventude Socialista que pretendia discutir o envio de ajuda humanitária para a cidade de Kobane (região curda da Síria). Como resultado, 33 pessoas foram mortas e outras 104 ficaram feridas.

Após o ataque, a mídia pró-governamental turca, inclusive o Star, escreveu que “as forças externas novamente se ativaram para enfraquecer o governo turco”.

Mais tarde, tornou-se claro que o terrorista de Suruc estava ligado ao centro de recrutamento do grupo Daesh (proibido na Rússia e reconhecido como terrorista pelo Brasil) na cidade turca de Adiyaman.

Entretanto, nenhum dos meios de comunicação pró-Erdogan mencionou como poderia um terrorista se ter infiltrado nos grupos de esquerda, que estão sob vigilância constante da inteligência turca e da polícia.

Atentado em Ancara: vamos culpar todos!

Outro ataque sangrento aconteceu em 10 de outubro de 2015, poucos dias antes das eleições legislativas, levado a cabo por dois homens-bombas. Ele foi considerado o pior na história da Turquia, porque deixou 102 vítimas mortais e 400 feridos.

Na altura, a mídia e o presidente turco culparam tudo o que poderiam culpar – o Daesh, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, a Inteligência síria, os curdos sírios do Partido da União Democrática. 

A revista Akşam acusou os curdos da organização do ataque.

O jornal turco Yeni Şafak, que pertence à família do genro de Erdogan, afirmou que os principais suspeitos eram o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, o Partido da Frente Libertação Popular Revolucionária (DHKP/C na sigla em turco) e os terroristas do Daesh.

Estas declarações foram feitas ainda antes da investigação estar concluída.

Na altura, muitos culparam os jihadistas do Daesh, mas fontes próximas do comando do grupo terrorista disseram que o Estado Islâmico não assume responsabilidade por atos terroristas que matam civis e só reivindica atentados que visam militares. 

Tentativas de “justificar os terroristas” – uma forma de resolver os problemas?

As declarações divulgadas pelo presidente turco e pela mídia pró-governamental provocaram protestos na sociedade turca, sendo vistas como tentativas da mídia de “justificar o Daesh”.

Como se tornou público mais tarde, o terrorista que se explodiu em Suruc era irmão de um dos dois suicidas que se explodiram em Ancara. Foi divulgado que o primeiro terrorista era apoiado por terroristas do Daesh. Não se sabe a que grupo pertencia o seu irmão.

Em geral vale lembrar que, após Ancara ter começado a intervir diretamente nos confrontos na Síria, a instabilidade e a repercussão dos combates atingiram a própria Turquia. Este período mostrou claramente todas as deficiências do sistema de segurança no país.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||