Não haverá paz na Síria sem influência da Rússia sobre Assad, diz oposição

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

25 de março de 2016.

 

A Comissão Suprema para as Negociações (CSN), principal aliança de oposição da Síria, afirmou nesta quinta-feira que se a Rússia não usar sua influência sobre o governo de Bashar al Assad, o diálogo de paz mediado pela ONU não avançará.

"Esse é um momento único, um momento precioso. Espero que a Rússia veja a importância desse momento e use sua influência sobre o regime. Sem isso, sem a influência russa, não haverá mudança", afirmou Bassma Kodmani, um dos representantes da oposição.

A CSN se reuniu hoje pela última vez com o mediador do diálogo de paz, Staffan De Mistura, que comandou durante as duas últimas semanas a segunda rodada do processo diplomático que entra em recesso a partir da noite desta quinta-feira.

Kodmani disse, durante o processo, a CSN deixou claro que tinha "se comprometido de boa fé, com seriedade". Além disso, demonstrou que a oposição era "diversa, inclusiva, representativa, capaz de tomar decisões e implementá-las".

"O fim das hostilidades é o exemplo mais claro disso", afirmou o representante da oposição, em referência ao cessar-fogo em vigor na Síria desde o último dia 27 de fevereiro.

No entanto, Kodmani avaliou que as conversas só vão avançar se a Rússia pressionar o regime para dialogar também de forma construtiva.

O representante da oposição confirmou que recebeu do mediador da ONU um documento que enumera os pontos de convergência entre as partes e que pode servir de base para um futuro roteiro sobre o que deve ser o processo de transição no país.

"É um documento construtivo e o recebemos com um espírito positivo", disse o membro da CSN, acrescentando que espera que a nova rodada diálogo deve ter início no princípio de abril.

O regime de Assad afirmou em reiteradas ocasiões que quer que o próximo encontro comece após as eleições parlamentares convocadas para o dia 13 do próximo mês.

No documento apresentado por De Mistura, um dos itens aborda a necessidade de reconstruir o Exército da Síria e incluir os membros dos grupos armados do país. Consultado sobre a possibilidade, Kodmani afirmou que a oposição já esperava esse tipo de proposta.

"A oposição militar está comprometida com o Exército nacional. Quem desertou foi porque o Exército foi confiscado. Mas, se houver um processo de transição política, claro que voltarão para ele", disse Kodmani, voltando a pedir a libertação dos milhares de presos políticos. 

Fonte: EFE.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||