Kosovo anuncia criação de Exército, mais uma fonte de tensão com a Sérvia

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

13 de dezembro de 2018.

 

O Parlamento do Kosovo vota nesta sexta-feira (14) a criação de um Exército, um atributo da soberania que o território reivindica, porém motivo de mais tensões com a Sérvia, que não reconhece a independência de sua antiga província.

Trata-se de uma decisão tão política quanto militar. Segundo analistas kosovares, a implementação efetiva deste Exército vai durar uns dez anos. Seu objetivo será assegurar a integridade de um território protegido hoje pela Kfor, força internacional comandada pela Otan desde a guerra de 1998-99, que deixou mais de 13 mil mortos.

Além disso, os 2.500 membros das forças de segurança do Kosovo (KSF), estão - juntamente com a Polícia - encarregados de missões de segurança civil.

O orçamento para preparar este Exército de 5 mil soldados (e 3 mil reservistas) será de 57 milhões de euros previstos para 2019. Esta força é pouco comparável à do Exército sérvio e seus 30 mil militares, tanques e aviões de combate.

Mas sua criação ocorre em um contexto de péssimas relações com a Sérvia, ilustrado pela instauração, em novembro, pelo Kosovo, de barreiras alfandegárias aos produtos sérvios.

O diálogo entre ambas as partes está em ponto morto. Pristina exige como condição prévia que a Sérvia reconheça sua independência proclamada em 2008, enquanto a Sérvia inscreve em sua Constituição a tutela sobre sua antiga província, majoritariamente povoada por albaneses.

"Expulsar o povo sérvio"

O presidente sérvio, Aleksandar Vucic, vê na criação de um Exército e nessas barreiras alfandegárias a vontade "de expulsar o povo sérvio do Kosovo". Cerca de 120 mil sérvios vivem no Kosovo.

A primeira-ministra sérvia, Ana Brnabic, disse esperar que a Sérvia "nunca precise usar seu Exército", mas advertiu que é "uma das opções" possíveis, já que Belgrado não aceitaria "uma nova limpeza étnica".

O resultado da votação de sexta-feira, boicotada pelos dez deputados da minoria sérvia, não deixa dúvida: todos os partidos do Kosovo são unânimes a esse respeito.

A imprensa kosovar celebra há vários dias esta "semana do Exército", uma oportunidade para o governo demonstrar algum êxito após os fracassos na liberação dos vistos com a União Europeia ou na adesão à Interpol.

Tanto no Kosovo quanto na Sérvia, a hipótese de uma intervenção militar de Belgrado não é considerada possível. "Não é crível atualmente", afirma o analista militar sérvio Aleksandar Radic.

Apoio de Washington

A Otan - quatro de seus membros não reconhecem Kosovo: Espanha, Grécia, Romênia e Eslováquia - afirmou que a Kfor continuaria garantindo estabilidade. Mas seu secretário-geral, Jens Stoltenberg, acredita que a iniciativa kosovar ocorre em um momento ruim.

Kosovo recebeu, no entanto, o único apoio público que lhe importa, o dos Estados Unidos, aonde viajou recentemente seu presidente, Hashim Thaçi.

O chefe das KSF, Rrahman Rama, afirmou que a decisão de criar um Exército foi tomada "em cooperação com nossos parceiros", e informou que será equipado pelos Estados Unidos.

O Kosovo reivindica ter sido reconhecido por 115 países. Belgrado assegura que 15 deles reverteram esta decisão, o que Pristina nega. Seu caminho para entrar na ONU está fechado pela oposição de Rússia e China.

Fonte: AFP

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||