Irã ultrapassa limite de urânio enriquecido previsto pelo acordo nuclear

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

01 de julho de 2019.

O ministro de Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, afirmou nesta segunda-feira (1º) que o Irã ultrapassou o limite de 300 kg de urânio de baixo enriquecimento que foi previsto pelo acordo nuclear de 2015. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), da Organização das Nações Unidas (ONU), confirmou a informação.

A medida desafia o alerta feito por países europeus e as sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos. A violação dos termos abre espaço para a volta de sanções multilaterais que foram suspensas em troca de o Irã limitar suas atividades nucleares.

O urânio de baixo enriquecimento é usado para produzir combustível para reatores nucleares, mas, potencialmente, pode servir para a produção de armas nucleares. Sob o acordo, o Irã foi autorizado a produzir um limite de 300 kg desse produto e poderia enviar as quantias em excesso para fora do país para armazenamento ou venda.

Um porta voz do ministério do Interior iraniano afirmou, ainda, que as medidas que diminuem os compromissos com o tratado de 2015 são "reversíveis", e pediu à Europa que acelere esforços para manter o acordo.

Em maio, o Irã quadruplicou a produção do urânio de baixo enriquecimento. Em junho, o governo iraniano aumentaria o seu estoque e o porta-voz da organização de energia atômica iraniana, Behrouz Kamalvandi, afirmou que o passo seguinte seria aumentar a taxa de enriquecimento. O país respeita o limite de 3,67 %, mas ameaçava elevar a taxa em 0,03 ponto percentual. Ainda assim, não seria o suficiente para uma arma nuclear.

Na época, o governo iraniano afirmou que estava respondendo às sanções restabelecidas pelos Estados Unidos depois que o presidente Donald Trump abandonou o acordo. Os países europeus já alertaram que qualquer violação poderá ter consequências.

O anúncio do aumento do estoque iraniano de urânio enriquecido provocou a reação de Israel, principal adversário político do Irã. O premiê Benjamin Netanyahu fez um apelo para que os países europeus lancem sanções automáticas contra o Irã e afirmou que seu país não permitirá que os iranianos desenvolvam armas nucleares.

Um porta voz do ministério do Interior iraniano afirmou, ainda, que as medidas que diminuem os compromissos com o tratado de 2015 são "reversíveis", e pediu à Europa que acelere esforços para manter o acordo.

Em maio, o Irã quadruplicou a produção do urânio de baixo enriquecimento. Em junho, o governo iraniano aumentaria o seu estoque e o porta-voz da organização de energia atômica iraniana, Behrouz Kamalvandi, afirmou que o passo seguinte seria aumentar a taxa de enriquecimento. O país respeita o limite de 3,67 %, mas ameaçava elevar a taxa em 0,03 ponto percentual. Ainda assim, não seria o suficiente para uma arma nuclear.

Na época, o governo iraniano afirmou que estava respondendo às sanções restabelecidas pelos Estados Unidos depois que o presidente Donald Trump abandonou o acordo. Os países europeus já alertaram que qualquer violação poderá ter consequências.

O anúncio do aumento do estoque iraniano de urânio enriquecido provocou a reação de Israel, principal adversário político do Irã. O premiê Benjamin Netanyahu fez um apelo para que os países europeus lancem sanções automáticas contra o Irã e afirmou que seu país não permitirá que os iranianos desenvolvam armas nucleares.

Atualmente, o acordo limita o Irã a enriquecer urânio a 3,67%, o que pode alimentar uma usina nuclear comercial. Já o urânio usado para armas precisa ser enriquecido até cerca de 90%. No entanto, uma vez que um país enriqueça urânio a aproximadamente 20%, o tempo necessário para chegar a 90% é reduzido pela metade, dizem cientistas.

Em maio de 2018, o presidente Donald Trump cumpriu sua promessa de campanha e se retirou do acordo firmado pelo seu antecessor, Barack Obama, alegando que o país não cumpria os termos estabelecidos em 2015 e que financiava o terrorismo em outros países. Também foram reimpostas sanções econômicas, o que representou um pesado golpe sobre a já fraca economia iraniana.

Desde então, a administração Trump tem dito que qualquer país que importar petróleo iraniano irá enfrentar sanções norte-americanas.

Fonte: G1

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||