Guerra 'destrutiva': China desafia poder militar norte-americano

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

15 de agosto de 2016.

A futura guerra entre China e EUA seria "intensa, destrutiva e prolongada", adverte o ex-assessor de inteligência de Barack Obama na segunda-feira (15).

David Gompert expressou tal opinião em relatório da Corporação Rand, exigido pelo Exército estadunidense.

"A guerra entre os Estados Unidos e a China poderia ser tão devastadora para ambos os países, para o Leste da Ásia e para o mundo, que pode parecer impensável <…> Os Estados Unidos não podem ter certeza de que a guerra iria seguir o plano americano, levando a vitória decisiva", escreve Gompert no relatório.

O relatório prevê que, com a possibilidade da economia da China ultrapassar os EUA em 2025 e graças aos avanços tecnológicos chineses, a lacuna militar entre os EUA e a China deverá diminuir.

Certamente, o relatório da segunda-feira coincide com a situação da disputa territorial no Pacífico. A China se mantem inflexível com relação às suas reivindicações territoriais no mar do Sul da China. Os vizinhos da China observam sua expansão militar gradual, em particular da sua marinha, que ocupa primeiro lugar na região, e as atividades de construção de ilhas artificiais como parte da política externa de Pequim.

Professor Steve Tsang, especialista em política chinesa do think-tank mais famoso do mundo Chatham House, falou à Sputnik que chineses têm o direito de mostrar sua própria força militar:

"Não acho que as reformas militares são apenas para defender suas reivindicações territoriais no mar do Sul da China. Do ponto de vista do governo chinês, por que eles deveriam aceitar a supremacia dos EUA no mundo?".

Desde que a administração de Obama vem intensificando as relações com a Ásia, houve uma grande mudança no cenário político em 2011. Desde tal fato, Pequim suspeita que esta intensificação das relações entre EUA e Ásia, é uma tentativa dos Estados Unidos de interferir na ascensão de poder por parte da China.

As terríveis advertências de Gompert foram divulgadas antes das eleições presidenciais dos EUA, que serão realizadas em novembro, tendo chamado a atenção do candidato republicano, Donald Trump, que não descartou a possibilidade de declarar guerra.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||