General sírio: general sírio: EUA e Turquia apoiam Estado Islâmico na Síria

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

28 de novembro de 2016.

Damasco possui evidências de que Washington e Ancara oferecem total suporte aos grupos radicais no território da Síria, disse em entrevista à Sputnik o diretor do departamento de informação do exército da Síria, general de brigada Samir Suleiman.

"Os Estados Unidos apoiam o Daesh e investem em terrorismo. A maior prova disso é o incidente, no qual (as forças aéreas dos EUA) atacaram os destacamentos das tropas sírias em Deir ez-Zor, abrindo caminho para o Daesh abrir ofensiva contra o aeroporto militar", disse o general.

Quanto à Turquia, ele destacou que Damasco não enfrenta o país de forma direta, "mas através do combate com os grupos armados". "Toda vez que o nosso exército enfrenta grupos terroristas em todas as regiões do país, e principalmente em Aleppo, isso significa um combate, mesmo que indireto, com a Turquia. Tudo porque Ancara oferece total suporte a esses grupos: com armas, pessoas, especialistas, que por sua vez participam dos combates", disse o interlocutor da agência.

O general classificou as atividades dos dois países na Síria de agressão e de intervenção em assuntos internos sírios. "Não há nenhuma coordenação entre nós com a Turquia e os EUA. Não há e não pode ser. Consideramos as ações desses dois países no norte da Síria de intervenção em nossos assuntos internos. De agressão e de intervenção, que estamos enfrentando, ao combater os militantes terroristas", afirmou o general.
 
Ele destacou que o exército da Síria "enfrentará todas as tentativas de invasão por parte de terceiros países".
 
Além disso, disse Suleiman, a operação em Aleppo começou, pois os patrocinadores dos terroristas no Ocidente bloquearam todos os canais de diálogo políticos.

"Anunciamos o início da operação militar em Aleppo após os canais de diálogo político terem sido fechados. Quando os países do Ocidente e do Oriente Médio que apoiam os terroristas cerraram as portas para o diálogo, precisamos iniciar as ações militares", disse o general.
 
Ao comentar a possibilidade de ampliar as operações nos bairros tomados pelos terroristas em Aleppo, o general sírio disse que o "exército não revelará todos os seus planos". No entanto, ele destacou ser difícil a ação militar nessa parta da cidade, "pois os terroristas usam todos os prédios residenciais como abrigo".
 
"A data do fim da operação não foi determinada. Podemos confirmar que a operação continua e que ela não terminou… Isso não significa, entretanto, que a operação no momento está em mesma fase de atividade que no início. Em ações militares sempre existem determinadas fases, que dependem das condições em campo e, às vezes, da situação política", explicou o militar.
 
"Quando os nossos amigos russos quiseram instaurar um cessar-fogo — possivelmente no âmbito de certos acordos internacionais — o exército sírio demonstrou entendimento e deu chance para a trégua por alguns dias e horas. Quando essas tréguas terminam, a operação militar continua e não para mais".

Ao comentar a recente eleição do candidato republicano Donald Trump nas eleições norte-americanas, Samir Suleiman afirmou que o fato não deve afetar a política de Damasco.
 
"Não seria certo contar com quaisquer alterações na política ocidental ou nas permutações em governos ocidentais. É preciso sempre apostar em forças próprias e nos seus aliados, e não no inimigo. O inimigo deve sempre ser encarado como inimigo, porque este sempre recorrerá a todos os meios para te enganar", declarou o general.
 
O militar sírio depositou grande esperança na cooperação com a Rússia e manifestou certeza de que uma vitória é possível. "O nosso povo e o nosso exército adquiriram certeza plena de que, com a ajuda russa, essa luta chegará ao fim. A vitória sobre o terrorismo será uma vitória comum dos exércitos russo e sírio", disse o entrevistado da Sputnik.
 
O general lembrou que a parceria militar entre os dois países é tradicional e que a tática adotada pelo exército da Síria no momento se fundamente na experiência dos militares russos e soviéticos. Suleiman adicionou que todo o equipamento dos soldados sírios também é russo. Além disso, muitos militares sírios estudaram na Rússia.

"As relações entre os oficiais russos e sírios são muito fortes agora — não só na dimensão militar, mas também no plano psicológico e social. Um aspecto 'espiritual' se revelou nas relações entre eles, pois esses oficiais combatem contra o terrorismo em nome da defesa dos povos dos dois países e de toda a humanidade", revelou o general sírio.
 
"Ser irmão de armas é umas das formas mais sagradas de relações humanas", concluiu o interlocutor da Sputnik.
 
Fonte: Sputnik

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||