Fracassa teste de míssil da Coreia do Norte

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

20 de outubro de 2016.

 

A Coreia do Norte realizou, nesta quinta-feira (20), fracassou em um teste de míssil de médio alcance, capaz de atingir as bases americanas na ilha de Guam, no Pacífico Norte, anunciou o Exército sul-coreano.

Segundo análises das forças sul-coreanas e americanas, o míssil explodiu logo após o lançamento, às 6h30 local (20h de quarta, 19, em Brasília), informou o Estado-Maior Conjunto em Seul.

"Nossas Forças Armadas condenam com firmeza as ações provocadoras contínuas da Coreia do Norte e estão preparadas para a eventualidade de novas provocações", prossegue o comunicado.

O míssil testado foi um Musudan, apresentado pela primeira vez na Coreia do Norte em outubro de 2010, durante uma parada militar.

O Musudan tem alcance de entre 2.500 e 4.000 km, com capacidade para atingir alvos na Coreia do Sul e no Japão, além de Guam.

Este é o segundo teste fracassado de um Musudan em menos de uma semana, mas especialistas avaliam que o míssil pode estar operacional no início do próximo ano.

O teste precedente ocorreu no sábado (15), e foi denunciado pelo Conselho de Segurança da ONU, que debate atualmente novas sanções contra Pyongyang pelo quinto teste nuclear realizado pelo regime norte-coreano, no mês passado.

Em 2016 Pyongyang realizou oito testes de míssil, e apenas um teve sucesso, em junho, quando o vetor percorreu 400 km e caiu no Mar do Japão.

O tiro de junho foi elogiado pelo líder norte-coreano, Kim Jong-Un, como um sucesso absoluto e prova da capacidade da Coreia do Norte para atacar bases americanas no Pacífico.

Analistas militares americanos acreditam que um teste bem sucedido do Musudan ajudaria a Coreia do Norte a desenvolver um míssil balístico intercontinental capaz de alcançar o território dos Estados Unidos até 2020.

"Se continuarem neste ritmo, o míssil (...) poderá estar operacional no próximo ano, muito antes do que pensávamos", escreveu recentemente John Schilling, engenheiro aeroespacial, no site 38 North do Instituto Coreano-Americano da Universidade John Hopkins.

Fonte: AFP.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||