FBI alerta sobre "diáspora" de membros do EI após avanços de ofensiva militar

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

28 de setembro de 2016.

O diretor do FBI, James Comey, alertou nesta terça-feira sobre a possibilidade de uma "diáspora" de terroristas do Estado Islâmico (EI) à medida em que o grupo perde territórios na Síria e no Iraque pelo avanço da campanha militar realizada em conjunto por diferentes países.

"Nem todos vão morrer no campo de batalha na Síria e Iraque. Haverá uma diáspora de terroristas como nunca vimos antes e ocorrerá nos próximos dois anos", afirmou Comey durante uma audiência que durou horas no Comitê de Segurança Nacional do Senado dos EUA.

"Devemos nos preparar, nós e nossos aliados na Europa Ocidental, para fazer frente a essa ameaça. Quando o Estado Islâmico for reduzido a uma insurgência, os assassinos tratarão de vir para Europa Ocidental e tentarão matar gente inocente", disse Comey.

Quem também participou da audiência foi o secretário de Segurança Nacional, Jeh Johnson, que afirmou que essa diáspora já começou. "Estamos cutucando uma colmeia. Causamos algum prejuízo, mas as abelhas assassinas seguem deixando a colmeia. Eles estão criando novas colmeias", comparou Johnson.

Apesar da possibilidade de os terroristas estarem se dirigindo ao Ocidente, os senadores consideraram mais preocupante o fato de o FBI não ter identificado o homem responsável pelo ataque contra uma boate em Orlando (Flórida) em junho, que deixou 49 mortos.

O americano de origem afegã Omar Seddique Mateen, autor do atentado e também morto no ataque, tinha sido investigado duas vezes pelo FBI por sua possível vinculação a grupos terroristas.

"Me preocupa que o FBI não seja capaz de admitir que cometeu alguns erros", criticou o senador republicano Rand Paul, que se candidatou às eleições primárias do partido, mas acabou deixando a disputa muito antes da indicação de Donald Trump.

Com a operação "Determinação Inerente" e comandando uma aliança internacional, os EUA começaram há dois anos sua campanha de bombardeios contra o Estado Islâmico.

Os republicanos questionaram a efetividade da ofensiva. Trump chegou a acusar o presidente dos EUA, Barack Obama, e a candidata democrata ao cargo, Hillary Clinton, de serem os "fundadores" do grupo terrorista. 

Fonte: EFE.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||