Exército sírio se prepara para tomar Aleppo após uma semana de combates

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

29 de abril de 2016.

 

O regime sírio se prepara para lançar uma ofensiva para reconquistar a província de Aleppo (norte), onde os combates e bombardeios já mataram cerca de 200 pessoas em uma semana.

"Agora é o momento de lançar a batalha para a libertação total de Aleppo", anunciou nesta quinta-feira em Damasco o jornal Al Watan, próximo ao governo sírio.

"Não é um segredo que o exército sírio e seus aliados preparam esta batalha decisiva", acrescentou.

O objetivo do regime do presidente Bashar al-Assad é retomar o controle dos setores de Aleppo nas mãos dos rebeldes há quatro anos. A segunda maior cidade da Síria está dividida desde julho de 2012 entre os bairros controlados pelo exército na parte oeste e a leste pela rebelião.

A situação em Aleppo tem preocupado o enviado das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, que exortou a Rússia e os Estados Unidos a tomarem "uma iniciativa urgente".

Moscou e Washington promoveram a trégua que entrou em vigor em 27 de fevereiro, mas que já não é respeitada no terreno há semanas.

Outros 53 civis mortosOs ataques aéreos do regime contra bairros rebeldes e os bombardeios dos insurgentes contra distritos do governo deixaram 200 mortos e centenas de feridos em uma semana, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Pelo menos 53 civis morreram nesta quinta-feira em Aleppo. Os ataques do regime mataram 31 pessoas, incluindo três crianças, enquanto os bombardeios rebeldes causaram a morte de 22 pessoas, duas delas menores de idade, segundo o OSDH.

No bairro rebelde de Bustan Al Qasr, um correspondente da AFP constatou que todos os edifícios visíveis foram afetados pelos bombardeios.

"Os aviões devastaram toda a vizinhança", relatou um morador.

Para o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Aleppo está "no limiar de um desastre humanitário". "Em toda a parte, é possível ouvir as explosões mortais, bombardeios e aviões sobrevoando a área", relatou Valter Gros, representante do CICV na cidade.

Um bombardeio contra um hospital no bairro de Al Sukari, no leste de Aleppo, já havia deixado na quarta-feira 30 mortos, inclusive o único pediatra do bairro rebelde, indicou à AFP o grupo de defesa civil.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), que apoia o "principal centro pediátrico" bombardeado, condenou o ataque.

"Os hospitais não deveriam ser um alvo", declarou o grupo no Twitter, usando a hastag em inglês #notatarget. 

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, considerou o ataque como "imperdoável". "Deve haver responsáveis por esses crimes", acrescentou em um comunicado.

"Os ataques a civis constituem violações inaceitáveis às leis humanitárias", afirmou, fazendo referência aos "recentes bombardeios cegos por parte das forças do governo e grupos de oposição e às práticas terroristas empregadas por grupos extremistas".

Um porta-voz do Alto Comitê de Negociações (HCN), que reúne os principais representantes da oposição e da rebelião síria, Salem al-Meslet, denunciou em um comunicado um "ataque cruel que é uma mensagem de que o regime de Assad rejeita o fim do sofrimento do povo sírio".

Neste contexto, Washington, que se disse "escandalizado" com o ataque ao hospital, apelou a Moscou para conter o regime de seu aliado, Assad.

Segundo o secretário de Estado americano, John Kerry, a tática do regime de visar deliberadamente hospitais e médicos e zonas controladas pelos rebeldes já fez centenas de mortos. 

Emergência humanitáriaEnquanto isso, mais ao norte, na província de Aleppo e perto da fronteira com a Turquia, 53 rebeldes, em sua maioria islamitas, e 11 combatentes das Forças Democráticas da Síria (aliança árabe-curda) morreram em confrontos na zona de Tal Rifat, cidade controlada pelos curdos.

Os rebeldes atacaram a cidade na quarta-feira, mas os curdos repeliram a ofensiva.

Fotos divulgadas nas redes sociais mostravam os corpos de combatentes rebeldes na cidade curda de Afrin. De acordo com a OSDH, trata-se do maior número de rebeldes mortos em uma batalha contra os curdos.

De Mistura reuniu nesta quinta-feira o Grupo de Trabalho sobre o Acesso Humanitário e o Grupo Internacional de Apoio à Síria (GIAS), composto por 17 países, sob a presidência conjunta da Rússia e dos Estados Unidos.

No final da reunião, as Nações Unidas alertaram que o prosseguimento dos combates poderia retardar a chegada de ajuda humanitária de emergência para centenas de milhares de sírios em situação de risco.

De acordo com o diretor do grupo de trabalho humanitário, Jan Egeland, os comboios de ajuda humanitária já conseguiram atender 52% das áreas sitiadas e 255.000 pessoas.

Mas as agências de ajuda humanitária ainda não foram capazes de visitar 35 localidades, onde vivem 905.000 pessoas, lamentou Egeland, citando Duma, Harasta, Daraya, Erbin, Zamalka e Zabdin.

"Deveríamos estar envergonhados de que isto ocorra", ressaltou ante o Conselho de Segurança das Nações Unidas o responsável pela ajuda humanitária na Síria, Stephen O'Brien, que pediu para a retomada do cessar-fogo e o fim do sofrimento provocado pela falta de alimentos e medicamentos.

Fonte: AFP.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||