EUA garantem que mísseis THAAD na Coreia do Sul não serão dirigidos contra a China

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

09 de abril de 2016.

O secretário de Defesa dos EUA Ashton Carter assegurou nesta sexta-feira (8) que o sistema americano de defesa antimísseis THAAD, na Península Coreana, não será dirigido contra a China.

"Isso não tem absolutamente nada a ver com a China" — disse Carter, em discurso no Conselho de Relações Exteriores em Nova York.

Ele explicou que os sistemas serão instalados na Coreia do Sul e que a medida é necessária para garantir a segurança diante do "comportamento imprevisível da Coreia do Norte". Ainda segundo ele, Washington gostaria, inclusive, que a China cooperasse com os EUA com relação a este problema, ou que promovesse um diálogo direto com Pyongyang, colocando em primeiro lugar a questão do programa de mísseis da Coreia do Norte.

No começo de março, os EUA e a Coreia do Sul chegaram a um acordo inicial para implantar o sistema de defesa antimísseis THAAD na Coreia do Sul, em resposta às ações provocativa de Pyongyang. O plano foi duramente rechaçado pela China, alegando que o sistema THAAD representa ameaça aos seus interesses de segurança.

No final de março, a vice-secretária de Estado dos EUA para controle de armamentos e segurança internacional, Rose Gottemoeller, declarou que os EUA ainda não tomaram a decisão sobre a instalação de THAAD na Coreia do Sul e que esperam dissuadir a China das preocupação nesses sentido. Ela destacou que o plano ainda está sendo negociado com Seul e que o sistema é destinado somente para fins de defesa.

A situação na península coreana começou a piorar após os EUA terem intensificado os esforços de implantação de armamentos estratégicos na Coreia do Sul, em resposta às recentes violações de resoluções da ONU por parte da Coreia do Norte, que realizou um teste nuclear e o lançamento de mísseis balísticos de longo alcance.

Em 2 de março, por iniciativa dos EUA, o Conselho de Segurança da ONU aprovou mais severo conjunto de sanções já adotado contra Pyongyang no decorrer dos últimos 20 anos. No dia seguinte, o presidente norte-coreano Kim Jong-un ordenou que as armas nucleares de seu país fossem colocadas em alerta para serem usadas “a qualquer momento”.

Em 7 de março 17 mil militares norte-americanos e 300 mil soldados sul-coreanos deram início a amplos exercícios militares em território sul-coreano. Apesar de serem realizados anualmente e de terem sido previamente programados, os exercícios foram voltados para uma possível eliminação da ameaça nuclear de Pyongyang, acirrando ainda mais a crise na região.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||