EUA condenam ação russa na Síria como "barbárie"

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

25 de setembro de 2016.

Os Estados Unidos classificaram neste domingo como "barbárie" e não "contraterrorismo" a ação da Rússia na Síria, enquanto o emissário de Moscou às Nações Unidas disse que acabar com a guerra é "uma tarefa quase impossível neste momento", depois que as forças do governo sírio, apoiadas por Moscou, bombardearam a cidade de Aleppo.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas se reuniu neste domingo a pedido dos EUA, Grã-Bretanha e França para discutir o agravamento dos combates em Aleppo após o anúncio na quinta-feira de uma ofensiva do exército sírio para retomar a cidade.

"O que a Rússia está patrocinando e fazendo não é contraterrorismo, é barbárie", disse a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Samantha Power, diante dos 15 membros do Conselho.

"Em vez de procurar a paz, a Rússia e Assad fazem guerra. Em vez de tentar buscar socorro imediato aos civis, a Rússia e Assad bombardeiam comboios humanitários, hospitais e socorristas que estão desesperadamente tentando manter as pessoas vivas", disse Power. 

O cessar-fogo acordado em 9 de setembro entre o secretário de Estado norte-americano John Kerry e o ministro russo das Relações Exteriores Sergei Lavrov, cujo objetivo era colocar o processo de pacificação da Síria de volta aos trilhos, entrou em colapso na segunda-feira com o bombardeio de um comboio humanitário.

"Na Síria, centenas de grupos armados estão recebendo mais armas, o território do país está sendo bombardeado indiscriminadamente e trazer a paz é uma tarefa quase impossível neste momento por estes motivos", disse o embaixador da Rússia na ONU Vitaly Churkin ao conselho.

O emissário da Grã Bretanha nas Nações Unidas, Matthew Rycroft, disse neste domingo que a tentativa de EUA e Rússia firmarem o processo de paz na Síria está "muito, muito perto do fim e, sim, o Conselho de Segurança deve estar pronto para cumprir com suas responsabilidades."

"O regime Assad e a Rússia mergulharam em novas profundezas e desencadearam um novo inferno em Aleppo", disse Rycroft no conselho. "A Rússia está atuando em parceria com o regime sírio para executar crimes de guerra."

No entanto, a Rússia é um dos cinco países com poder de veto no Conselho, ao lado de EUA, França, Grã-Bretanha e China. A China e a Rússia têm protegido o governo do presidente sírio Bashar al-Assad ao bloquear diversas tentativas de ação do conselho.

"É hora de apontar quem está por trás desses ataques aéreos e quem está matando civis. A Rússia tem um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, isso é um privilégio e uma responsabilidade. Assim, na Síria e em Aleppo, a Rússia está abusando deste privilégio histórico", disse Power.

O embaixador da Síria na ONU, Bashar Ja'afari começou a discursar para o Conselho e imediatamente Power, Rycroft e o emissário da França nas Nações Unidas François Delattre deixaram a sala, de acordo com diplomatas.

Fonte: Reuters.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||