EUA aumentam orçamento militar para ‘conter a Rússia’

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

25 de abril de 2016.

Para garantir "a segurança europeia" e conter a chamada “agressão russa”, os legisladores americanos estão prontos a quadruplicar o orçamento militar para o ano 2017, informa o jornal estadunidense The Hill.

O artigo diz que "a agressão russa" será um dos principais temas da agenda do Comitê de Serviços Armados da Câmara dos Representantes dos EUA, que reunirá no dia 27 de abril para discutir o orçamento de defesa para o ano que vem.

"Como principal medida para deter a ‘agressão russa’, os legisladores norte-americanos consideram o reforço da segurança europeia, o que implica a assistência militar aos aliados europeus que receiam as ações de Moscou", escreve o The Hill.

Para isso, os legisladores estadunidenses planejam gastar US $ 3,4 bilhões, aumentando o orçamento militar dos EUA quatro vezes em comparação com o de 2016. Além disso, o projeto prevê o desembolso de US $ 150 milhões para a ajuda a Kiev, no quadro do programa de promoção da segurança na Ucrânia.

"Nós temos o dinheiro para deslocar tropas em várias partes da Europa Oriental e, o que é mais importante, para estabelecer a nossa presença nesta região para mostrar o apoio para nossos aliados", disse Adam Smith, membro do Comitê de Serviços Armados.

Entre as outras medidas de “contenção da Rússia", previstos pelo novo orçamento, estão a compra de aeronaves militares, navios e outros equipamentos militares.

Após a reunião do Conselho Rússia-OTAN, que passou no dia 20 de abril, Aleksandr Grushko, o representante da Rússia na OTAN, disse que “nós estamos falando sobre uma tentativa de pressão militar sobre a Federação da Rússia e vamos tomar todas as medidas necessárias para compensar a tentativa de uso da força militar", acrescentou ele.

OTAN tem afirmado várias vezes sobre a intenção de deslocar suas tropas na Europa Oriental. Por sua vez, Moscou expressou o descontentamento com as iniciativas da Aliança destinadas ao aumento da presença militar na fronteira com a Rússia, e afirmou que tais ações são uma ameaça aos seus interesses e segurança nacionais.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||