Estados Unidos convocam reunião com mais de 60 países para combater Estado Islâmico

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

09 de março de 2017.

 

O Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira que organizará no final deste mês uma reunião em nível ministerial com 68 países e organizações regionais para tratar da luta contra o Estado Islâmico (EI) e o jihadismo.

O encontro acontecerá em Washington entre os dias 22 e 23 de março, e incluirá membros da coalizão militar contra o EI liderada pelos EUA desde 2014 na Síria e no Iraque.

O porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, destacou que esta reunião será uma grande oportunidade para que o novo chefe da diplomacia americana, Rex Tillerson, aborde com parceiros internacionais modos de avançar na luta contra o EI, não só no plano militar, mas no diplomático, político e financeiro.

Toner assegurou em entrevista coletiva por telefone que a Rússia não terá nenhum papel no encontro, que se centrará em convidar aliados da coalizão militar contra o EI, da Otan, do norte da África e do Oriente Médio.

A reunião ministerial acontecerá no dia 22, enquanto o dia seguinte será focado em outro tipo de encontros destinados a buscar soluções para combater a propaganda e as fontes de financiamento do grupo jihadista, assim como medidas de estabilização para o futuro das áreas que estiveram sob controle do EI.

"Estamos em uma importante fase da luta contra o EI e utilizaremos este encontro ministerial para acelerar os esforços internacionais para derrotar o EI nas áreas nas quais persistem no Iraque e na Síria, e para aumentar a pressão em seus aliados, filiados e suas redes", destacou o porta-voz.

A reunião foi marcada depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, recebeu no final de fevereiro opções do Pentágono para acelerar as operações militares contra o EI.

O Pentágono já ordenou aumentar até 900 o número de soldados que operam na Síria, com o objetivo de avançar em direção a Al Raqqa, o principal bastião do EI no país, imerso em uma guerra civil há seis anos.

A reunião de Washington "incluirá detalhadas discussões sobre as prioridades da coalizão em múltiplas frentes, inclusive a militar, no relativo à luta contra os combatentes estrangeiros, antiterrorismo, financiamento, propaganda e estabilização", acrescentou Toner.

Fonte: EFE

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||