Entrega de armas é crucial para firmar acordo de paz com as FARC, diz governo colombiano

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

24 de março de 2016.

O chefe da equipe de negociação do governo colombiano com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), Humberto de la Calle, declarou na noite desta quarta-feira (23/03) que ainda há pontos pendentes nos diálogos entre os dois lados antes da finalização do acordo de paz, em especial quanto à entrega dos armamentos do grupo, condição imposta por Bogotá para concessão de anistia a delitos considerados graves e permissão para que guerrilheiros possam fazer política legalmente no país.

“O que será pactuado sobre participação política deve estar sujeito também à entrega de armas, condição para a aplicação dos mecanismos de justiça transicional e para abrir a porta à reincorporação [dos guerrilheiros] na vida civil”, disse de la Calle, acrescentando que o acordo precisa assegurar à população colombiana “o rompimento do vínculo entre política e armas”. Ele destacou também que o governo deseja que a anistia a delitos graves seja concedida após a entrega de armas, o que as FARC propõem que ocorra no momento da assinatura do acordo final.

O prazo inicial, que foi consensualmente estendido no começo deste mês, havia sido estipulado em setembro para esta quarta, 23 de março. Desde o início, as negociações entre as FARC e o governo da Colômbia ocorrem em Havana, capital de Cuba.

“Temos de dar proteção jurídica e física às FARC, mas elas precisam garantir à sociedade civil que irão se incorporar leal e limpamente à vida civil”, afirmou de la Calle. Em seu pronunciamento, ele afirmou ainda que ainda existem “diferenças importantes [do governo] com as FARC sobre temas fundamentais”.

O chefe da delegação de paz das FARC, Luciano Marín Arango, conhecido como “Iván Márquez”, também fez um pronunciamento à imprensa nesta quarta, no qual disse que o prazo inicial não foi cumprido “porque as exigências lógicas de uma prolongada e complexa guerra assim determinaram”.

“Estamos delineando o caminho mais propício para avançar na concretização de assuntos cruciais como a anistia, a cessação bilateral de fogo e de hostilidades, o processo de abandono de armas e a execução de ações que garantam a segurança jurídica e a implementação efetiva de todos os compromissos”, disse Márquez.

Ele pontuou ainda que a reunião da última segunda-feira (21/03) com o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, que esteve na delegação do presidente Barack Obama em sua visita a Cuba, demonstrou “o ânimo [de Kerry] de contribuir para buscar a paz e a normalização da vida colombiana”.

Fonte: Opera Mundi.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||