Em tensão com o Irã, EUA anunciam envio de cerca de 1 mil militares ao Oriente Médio

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

18 de junho de 2019.

 

Os Estados Unidos vão enviar cerca de 1 mil militares adicionais ao Oriente Médio, informou o Pentágono nesta segunda-feira (17). O anúncio veio em meio ao acirramento da crise entre os EUA e o Irã.

Em comunicado, o secretário interino de Defesa norte-americano, Patrick Shanahan, disse que o novo contingente vai ao local por "motivos defensivos".

"Os recentes ataques iranianos comprovam as informações confiáveis e credíveis que recebemos sobre o comportamento hostil das forças iranianas e de grupos associados que ameaçam funcionários norte-americanos e interesses na região", disse.

Mais cedo, o governo norte-americano divulgou imagens que seriam de soldados do Irã removendo uma mina que não explodiu no Kokuka Corageous, um dos petroleiros danificados no Golfo de Omã na quinta-feira passada.

O governo dos Estados Unidos diz que as imagens, feitas a partir de um helicóptero militar norte-americano, provam que o Irã atacou as duas embarcações. O regime iraniano vem negando a acusação.

O novo contingente vai se somar aos outros 1,5 mil militares deslocados ao Oriente Médio em maio, quando a tensão entre EUA e Irã tomou maiores proporções (saiba mais abaixo).

Aumento na tensão no Oriente Médio

Na manhã desta segunda-feira, o Irã anunciou o aumento no estoque de urânio enriquecido para além do que havia sido firmado no acordo nuclear de 2015. Dessa forma, país não vai mais estabelecer um limite para o volume do material que produz.

O porta-voz da organização de energia atômica do Irã, Behrouz Kamalvandi, disse que em dez dias, na data de 27 de junho, a quantidade de urânio enriquecido vai ultrapassar 300 quilos, que era a quantidade máxima que, pelo acordo, eles poderiam ter.

Os recentes movimentos formam mais um capítulo da crise intensificada em maio, quando o governo do Irã anunciou a retomada de parte das atividades nucleares que estavam suspensas pelo acordo firmado em 2015 com os EUA e outros países do Ocidente.

O presidente Donald Trump retirou os EUA desse acordo em 2018, e, desde então, passou a impor sanções econômicas ao Irã. Apesar da saída norte-americana, Alemanha, França, Reino Unido, Rússia e China permanecem no tratado.

Fonte: G1

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||