Em quantas guerras os EUA estão envolvidos (e o que muda com novo presidente)?

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

07 de novembro de 2016.

Formalmente, os Estados Unidos não declaram guerra contra outro país desde 1941, quando o Congresso americano aprovou uma ofensiva contra o Japão durante a Segunda Guerra Mundial.

Desde então, porém, forças americanas atuaram em dezenas de conflitos mundo afora e hoje estão envolvidas em pelo menos sete (confira a lista abaixo), nos quais muitas vezes se valem de veículos aéreos não tripulados (drones) para atacar seus alvos.

Em pelo menos um dos conflitos, na Síria, os dois principais candidatos à Presidência, Donald Trump e Hillary Clinton, prometem intensificar os ataques contra o grupo autointitulado Estado Islâmico.

Hillary é vista como mais intervencionista que Barack Obama: quando era secretária de Estado de seu governo, ela por vezes colidiu com o chefe ao defender uma linha mais dura nos conflitos no Iraque, Afeganistão e na Síria.

Analistas avaliam que, se chegar à Casa Branca, ela poderá ampliar as operações militares americanas, ainda que venha a seguir as linhas gerais da política externa de Obama.

As ideias de Trump quanto à participação dos EUA em conflitos no exterior são ambíguas. Ele defende que os EUA integrem uma coalizão internacional que promova operações "agressivas" contra o Estado Islâmico e promete modernizar as forças americanas. Por outro lado, costuma criticar o envolvimento dos EUA na Guerra da Líbia e intervenções em outros países.

O empresário também prega que os EUA reduzam os gastos militares na Ásia.

Veja abaixo os principais conflitos que mobilizam forças americanas com que o próximo presidente terá de lidar.

1) Síria

Desde 2014, os Estados Unidos lideram uma coalizão que combate o Estado Islâmico e outros grupos envolvidos na guerra civil da Síria. Os EUA participam da operação com aviões, mísseis e drones.

Em setembro, dois aviões e um drone americanos bombardearam por engano bases do Exército da Síria, matando 62 soldados e ferindo ao menos 100. Os EUA reconheceram o erro (militares disseram a jornalistas que buscavam atacar o Estado Islâmico). Os EUA também fornecem treinamento e armas a grupos locais.

2) Iraque

Após quase nove anos de ocupação iniciada com a guerra que derrubou o líder Saddam Hussein, em 2003, tropas americanas deixaram o Iraque em 2011. Em 2014, porém, os EUA voltaram a atacar alvos no país como parte da ofensiva contra o Estado Islâmico na região.

O grupo extremista controla áreas ao norte de Bagdá, como a cidade de Mossul (desde outubro, forças americanas integram uma ofensiva que tenta recapturar a cidade). Desta vez, a intervenção americana tem o respaldo do governo iraquiano.

3) Afeganistão

Iniciada após os ataques de 11 de setembro de 2001, a Guerra do Afeganistão se encerrou formalmente em 2014, mas até hoje milhares de soldados americanos e de outros países da Otan (aliança militar do Atlântico Norte) permanecem no país. As tropas apoiam forças afegãs no combate ao Taleban, grupo que, mesmo após 14 anos de ofensiva, ainda controla várias partes do país.

Em outra frente, militares americanos combatem insurgentes associados ao Estado Islâmico, que começou a atuar no Afeganistão em 2014 incorporando combatentes que deixaram o Taleban e outros grupos.

4) Paquistão

Os EUA promovem ataques de drones no Paquistão desde 2004. As ações se intensificaram no governo Barack Obama. Segundo o Bureau of Investigative Journalism, organização baseada em Londres, dos 424 ataques ordenados pelos EUA desde 2004, 373 ocorreram sob a presidência de Obama.

As operações são conduzidas pela CIA, a agência de inteligência do governo americano, e se concentram na fronteira do país com o Afeganistão, em áreas tribais sob influência da Al-Qaeda e do Taleban Paquistanês.

5) Líbia

Em 2011, uma coalizão integrada pelos EUA derrubou o governo de Muamar Khadafi. Desde então, o país se fragmentou e passou a ser controlado por milícias rivais - entre as quais o Estado Islâmico.

Os EUA hoje combatem forças do grupo no país. Em agosto, militares americanos passaram a conduzir ataques de drones na Líbia a partir da Jordânia. A ofensiva - que também contou com milícias locais - conseguiu limitar o domínio do Estado Islâmico a alguns bairros da cidade costeira de Sirte.

6) Iêmen

Em 2002, os EUA começaram a usar drones para atacar bases da Al-Qaeda no Iêmen. Desde 2015, o país na Península Arábica se tornou ainda mais instável com uma guerra entre forças leais ao governo do presidente Abdrabbuh Mansour Hadi e milícias aliadas ao movimento rebelde Houthi.

Segundo o Bureau of Investigative Journalism, desde 2002, os EUA promoveram entre 137 e 157 ataques de drones no Iêmen, que mataram entre 581 e 848 pessoas. Entre todos os mortos, segundo o órgão, ao menos 101 eram civis.

7) Somália

Em 2007, os EUA começaram a usar mísseis e navios para atacar alvos da Somália. As forças americanas dizem combater bases do grupo extremista Al Shabaab, que disputa o controle do país com o governo central em Mogadíscio, apoiado pelos EUA.

Nos últimos anos, os EUA também passaram a usar drones nos ataques no país. Segundo o Bureau of Investigative Journalism, desde 2007 houve entre 32 e 36 ataques de drones, dos quais 11 ocorreram nos nove primeiros meses de 2016.

Fonte: BBC Brasil

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||