EI está preparando terroristas para atacar Ocidente, diz CIA

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

16 de junho de 2016.

Em relatório enviado ao Congresso, agência afirma que "Estado Islâmico" planeja novos ataques contra inimigos externos. Apesar dos progressos no campo de batalha, grupo mantém capacidade terrorista, reconhece diretor.

O diretor da CIA, John Brennan, alertou o Congresso americano nesta quinta-feira (16/06) sobre os planos futuros do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) contra o Ocidente, informou a agência de notícias AP.

Num relatório preparado para o Comitê de Inteligência do Senado, ao qual a AP teve acesso, Brennan diz que o EI está trabalhando para dirigir e inspirar novos ataques contra inimigo externos.

"O EI tem um grande quadro de combatentes ocidentais que poderiam servir como potenciais operadores para ataques no Ocidente", afirma se referindo a atentados recentes como os de Paris e Bruxelas.

O diretor da agência de inteligência americana diz que as lideranças do grupo extremista têm tentado enviar combatentes aos países-alvo como requerentes de asilo ou até em viagens normais, com documentação.

Brennan acrescentou que o EI incentiva seguidores a fazer ataques como "lobos solitários" nos países onde vivem. É o caso do americano de origem afegã Omar Mateen, que matou 49 pessoas numa casa noturna gay em Orlando no último domingo. Brennan classificou o massacre como "ato abominável de violência gratuita".

Perdas e ganhos

Os EI está aos poucos cultivando suas ramificações para formar uma rede interconectada, segundo a CIA. O ramo líbio é o mais avançado e perigoso, e o braço da organização na Península do Sinai se tornou o "mais ativo e com maior potencial terrorista no Egito", atacando posições oficiais e militares do governo, aponta Brennan. O ramo no Iêmen estaria enfrentando dificuldades, assim como os do Afeganistão e Paquistão, devido à rivalidade com o Talibã.

Apesar de descrever o EI como um "adversário tremendo", o diretor da CIA diz que a coalizão internacional liderada pelos EUA tem imposto perdas aos terroristas na Síria e no Iraque. O EI têm tido dificuldade em repor seus combatentes, pois menos deles estão viajando à Síria, e muitos desertaram.

"O grupo parece estar muito longe de concretizar a visão divulgada por Abu Bakr al-Baghdadi [líder do EI], quando declarou o califado há dois anos em Mossul", afirmou.

A capacidade do EI de arrecadar dinheiro tem diminuído, mas os extremistas ainda obtêm uma receita mensal de 10 milhões de dólares, com a arrecadação de impostos e o comércio de petróleo, apontou o diretor.

"Infelizmente, mesmo com todos os progressos contra o EI no campo de batalha e na esfera financeira, nossos esforços não têm reduzido a capacidade terrorista do grupo e seu alcance global", disse Brennan.

Fonte: DW.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||