Drone que lança granadas é a nova arma do Estado Islâmico em Mossul

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

14 de novembro de 2016.

 

O drone é posicionado acima das forças iraquianas antes de largar sua granada: os dispositivos não tripulados tornaram-se uma arma para o grupo Estado Islâmico (EI) na defesa de Mossul.

A granada explodiu ao tocar no telhado do edifício onde estavam escondidos policiais iraquianos que participam na ofensiva para reconquistar a segunda maior cidade do Iraque.

Nenhum deles foi ferido, de acordo com um oficial. Mas esta explosão representa uma escalada nas ameaças enfrentadas pelas forças iraquianas frente as táticas de guerrilha usadas pelo EI.

Os extremistas islâmicos compensam sua inferioridade em número e em recursos com engenhosidade e efeito surpresa. Eles são, portanto, mestres em transformar objetos da vida cotidiana em explosivos, tais como eletrodomésticos ou veículos, diminuindo substancialmente o avanço das forças iraquianas.

Eles agora parecem ter encontrado uma maneira de atacar pelo céu, com estes drones que custam US$ 1.000 em lojas ou na internet.

Os artífices do Estado Islâmico armaram esses pequenos dispositivos utilizando uma espécie de gancho que, operado remotamente, libera a granada.

"Nós registramos três incidentes" com um mecanismo deste tipo, informou à AFP o tenente-coronel Hussein Moayyad.

Sobretudo para vigilância
Estes ataques, bastante rústicos, têm sido ineficazes em termos de danos, mas os drones do EI já causaram mortes.

Em 2 de outubro, dois combatentes curdos foram mortos e dois comandos franceses feridos na explosão de um dispositivo aéreo em Erbil, capital do Curdistão iraquiano.

De acordo com uma autoridade da Defesa americana, tratou-se de um "avião construído em poliestireno", do tipo vendido em lojas de aeromodelos.

O explosivo estava, aparentemente, "na bateria" e a explosão parece ter sido disparada por um "timer" e não por controle remoto.

O dispositivo havia sido encontrado no chão por combatentes peshmergas e, em seguida, levado ao acampamento. Ela explodiu enquanto os peshmergas tentavam fotografá-lo, de acordo com a autoridade americana.

O coronel John Dorrian, porta-voz militar da coalizão internacional, havia indicado que o EI usa drones de maneira "bastante comum" para vigilância. Mas eles não representam "uma ameaça existencial" e "não têm impacto estratégico", acrescentou.

Estes pequenos drones comerciais não podem, de fato, carregar explosivos suficientes para representar uma ameaça verdadeiramente significativa militarmente, de acordo com a autoridade americana.

As forças iraquianas também adotaram o drone para monitorar os movimentos do EI.

Em um caminhão transformado em centro de controle, o tenente-coronel Moayyad acompanha em tempo real as imagens das posições jihadistas a cinco quilômetros de distância.

"Eu quero agora utilizá-los na zona de perigo, onde o Daesh está ativo", diz ele, usando a sigla em árabe para EI.

O oficial iraquiano, graduado em ciência da computação, modificou os drones comprados em Dubai e na Turquia para melhorar a sua autonomia de voo, a duração da sua bateria e capacidade de fotografar à noite.

Quando nota movimentos do inimigo, entra em contato com a artilharia ou a aviação iraquiana e, por vezes, com a coalizão internacional, para organizar ataques.

Apesar da superioridade militar, ele quer que o exército encontre maneiras para melhor monitorar objetos voadores suspeitos. Porque "talvez o EI irá se equipar com aviões maiores" e "se tornaria mais preocupante ainda se os equipassem com armas químicas."

Fonte: AFP

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||