DEFCON reduz nível de ameaça nuclear, entretanto o mundo continua à beira de uma guerra nuclear

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

16 de novembro de 2016.

O sistema de alerta DEFCON, que relaciona os acontecimentos mundiais com a  possibilidade de uma guerra nuclear foi atualizado para o nível mais baixo e seguro possível, o nível 5, após a vitória de Donald Trump para presidente dos EUA.

Alguns meses atrás, devido o aumento das tensões entre EUA e Rússia, o alerta DEFCON se encontrava no nível 3, que significa que as tropas americanas podem ser mobilizadas em apenas 15 minutos, demonstrando o qual perigoso estava o cenário global.

Os especialistas do DEFCON verificaram nas promessas feitas por Trump durante sua campanha e na sua inesperada vitória a melhora das relações entre EUA e Rússia.  A promessa de se afastar dos conflitos no Oriente Médio e do cenário europeu, proporcionarão aos EUA a normalização das relações com a Rússia.

À beira de uma guerra nuclear

Por outro lado, o cenário atual ainda inspira preocupação uma vez que os acontecimentos atuais podem deflagrar em uma guerra nuclear.

Segundo o Dr. Andrew Kuchins, especialista em política externas e assuntos internos da Universidade de Georgetown, “o risco de um conflito nuclear pode ser maior hoje do que em qualquer outro momento desde a década de 1980.”

Dr. Kuchins disse que apesar da possível cooperação entre Putin e Trump, a ameaça de uma guerra nuclear ainda é alta. Isso é devido ao fato de Trump e Putin não serem capazes de manter boas relações sem afetar as relações com seus aliados históricos.

Trump se posicionou contra os interesses chineses, que atualmente são os maiores aliados da Rússia e sinalizou finalizar a cooperação com a OTAN, que rompeu suas relações com a Rússia devido ao conflito na Ucrânia em 2014. A Europa, maior aliada dos EUA vê o rompimento americano com gravidade, já que considera a ameaça russa real e crescente.

Nas últimas semanas, vários membros da OTAN realizaram exercícios militares e enviaram tanques e tropas para a fronteira com a Rússia, demonstrando força e se preparando para o confronto com a Rússia.

Fonte: QG GLOBAL.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||