Coreia do Sul pede que Coreia do Norte desperte de "delírio nuclear"

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

05 de março de 2016.

O governo da Coreia do Sul pediu neste sábado à Coreia do Norte que "desperte de seu delírio nuclear" depois de Pyongyang ter ameaçado promover "ações contundentes" em resposta às recentes sanções impostas pela ONU.


"Esperamos que a Coreia do Norte abandone o desenvolvimento de armas nucleares, escolha o caminho da busca que buscam a ONU e a comunidade internacional e desperte do delírio que a faz crer que as armas nucleares perpetuarão seu regime", afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul em comunicado.

"Nosso governo, em resposta a uma conduta tão imprudente por parte da Coreia do Norte, os fará despertar de seu delírio sobre o desenvolvimento nuclear com medidas contundentes e eficazes", acrescenta a nota divulgada pela diplomacia de Seul.

O texto destaca que as últimas ameaças de Pyongyang representam um "flagrante desafio" à comunidade internacional depois da aprovação unânime de um novo pacote de sanções contra o país no Conselho de Segurança da ONU.

As novas sanções aprovadas nesta semana ocorreram depois do teste nuclear subterrâneo que a Coreia do Norte realizou no último dia 6 de janeiro e também ao lançamento de um satélite a bordo de um foguete no início de fevereiro, algo considerado por especialistas como uma camuflagem para um teste de mísseis.

O castigo imposto, mais rígido que o determinado em outras resoluções da ONU, inclui a inspeção obrigatória de cargas que chegam ao país, restrições na exportação de matérias-primas, proibição de venda ao país de combustível aeroespacial e sanções financeiras contra indivíduos e entidades norte-coreanas.

Depois da aprovação da resolução, a Coreia do Norte ameaçou, através de sua agência oficial de notícias, que irá tomar "ações contundentes" em resposta às sanções. A agência divulgou declarações do líder do regime, Kim Jong-un, que teria ordenado a preparação preventiva das armas nucleares para "usá-las em qualquer momento".

As duas Coreias seguem tecnicamente em guerra, já que o conflito ocorrido entre 1950 e 1953 foi encerrado com um cessar-fogo e não por meio de um tratado de paz.

Fonte: EFE.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||