Coreia do Norte trilha caminho 'inevitável' para míssil que pode atingir os EUA

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

24 de maio de 2017. 

 

Diretor da Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos, o tenente-general Vincent Stewart afirmou na terça-feira que é “inevitável” que a Coreia do Norte consiga obter um míssil intercontinental, capaz de carregar ogivas nucleares, e que possa atingir o país.

A declaração foi feita durante uma audiência no Senado dos EUA. Stewart enfatizou o perigo para reforçar a necessidade de pressões para desmobilizar os esforços norte-coreanos em torno do seu programa nuclear e de mísseis balísticos.

Na audiência, os congressistas pressionaram o tenente-general e o diretor da Inteligência Nacional, Dan Coats, a respeito do quanto de tempo falta para Pyongyang ter em seu poder um míssil que seja capaz de chegar ao país. Ambos se recusaram a fazer uma estimativa.

Stewart disse apenas que os riscos estão aumentando. “Embora seja quase impossível prever quando esta capacidade estará operacional, o regime norte-coreano está comprometido e está em um caminho onde essa capacidade é inevitável”, avaliou.

Recentemente, o especialista em mísseis John Schilling estimou que a Coreia do Norte não terá tal míssil intercontinental até pelo menos 2020, e até 2025 para obter um alimentado por combustível sólido. Contudo, é possível haver uma variação nas previsões, sobretudo pela dificuldade em coleta de informações em solo norte-coreano.

Novas sanções podem incluindo bloqueios

Na intenção de pressionar ainda mais o regime de Kim Jong-un, o presidente norte-americano Donald Trump pode vir a sugerir bloqueios navais e zonas com voos proibidos, de acordo com o professor da Academia Nacional Diplomática da Coreia, Shin Beom-chul.

Além disso, a chance de Pyongyang alcançar a meta de obter um míssil intercontinental pode permitir que a Casa Branca tome “medidas militares contra Pyongyang”, o que seria “a opção mais atraente sobre a mesa da perspectiva de Trump”.

Contudo, o professor disse crer que o medo de uma retaliação militar maciça dos norte-coreanos deve manter a alternativa militar em compasso de espera.

“Ele [Trump] ainda pode criar tensões militares por meio de outras opções, sem executar um ataque militar direto contra a Coreia do Norte. Ou seja, operações militares, bloqueios navais e a imposição de uma zona de exclusão podem também aumentar as tensões no nordeste da Ásia”, comentou Shin à agência sul-coreana Yonhap.

Fonte: Sputnik

https://br.sputniknews.com/americas/201705248471487-missil-intercontinental-norte-coreano-inevitavel/

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||