Coreia do Norte fará teste mais potente com bomba de hidrogênio

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

22 de setembro de 2017.

 

Segundo revelou o próprio ministro das Relações Exteriores de Pyongyang, Ri Yong-ho, em breve a Coreia do Norte pode realizar o teste mais potente da história de bomba de hidrogênio no Oceano Pacíco. Em entrevista à agência de notícias Yonhap, o chanceler armou que essa experiência seria uma resposta à ameaça lançada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de "destruir" a Coreia do Norte.

Na última terça-feira (19), ao discursar na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, Trump pediu apoio dos países-membros da entidade para conter as ambições nucleares e militares da Coreia do Norte. "Poderia ser a detonação mais potente de bomba de hidrogênio já feita", disse Ri Yong-ho, que está em Nova York para seguir as reuniões da Assembleia da ONU. Ele foi enviado pelo regime do ditador Kim Jong-un junto com uma delegação de cinco pessoas.

Pronunciamento histórico

Em território norte-coreano, o ditador, por sua vez, fez um pronunciamento histórico, no qual chamou Trump de "perturbado" e ressaltou que o republicano "pagará caro" pelas ameaças. "Ele é um bandido canalha que quer brincar com fogo", criticou o ditador, ao pontuar que o magnata não tem capacidade de "ser chefe de Estado".

Desde 2006, a Coreia do Norte fez seis testes nucleares, sendo que o último, em 3 de setembro deste ano, foi o mais potente da história e provocou até um terremoto na península.

EUA X Coreia do Norte

A tensão entre EUA e Coreia do Norte aumentou com a eleição de Trump à Casa Branca. Regularmente, o regime de Pyongyang, que considera os EUA seu maior inimigo, realiza também testes de mísseis. Os dois já cruzaram os céus do Japão.

Nesta semana, após uma série de apelos dos EUA, a China decidiu reduzir suas transações financeiras e negócios com investidores norte-coreanos, ao aplicar as sanções aprovadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas. Os chineses são um dos principais parceiros comerciais da Coreia do Norte.

Fonte: ANSA

 

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||