Coreia do Norte dispara míssil e Seul responde com lançamento de projétil 'de precisão'

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

29 de novembro de 2017.

A Coreia do Norte disparou um míssil balístico por volta das 3h17 da madrugada desta quarta-feira (29), pelo horário local, afirmam militares sul-coreanos citados pela agência Yonhap News, da Coreia do Sul. De acordo com o Pentágono, uma avaliação inicial indica que se trata de um míssil balístico intercontinental (ICBM), que voou por mil quilômetros até cair no Mar do Japão.

O órgão militar americano afirmou que o disparo não representou uma ameaça aos EUA, seus territórios ou aliados, mas atingiu maior altitude do que todos os disparos anteriores realizados pelo país.

O presidente americano Donald Trump foi informado enquanto estava visitando o Congresso e o míssil ainda estava no ar, informou a Casa Branca. Mais tarde, ele afirmou que o novo lançamento não irá mudar a forma como os Estados Unidos lidam com a questão norte-coreana. Questionado por jornalistas durante um pronunciamento sobre impostos, ele se limitou a dizer: "cuidaremos disso".

Mais tarde, Trump falou por telefone com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. "Os dois líderes acordaram que as ações provocadoras do regime norte-coreano estão prejudicando sua segurança e isolando ainda mais o país da comunidade interncional", segundo um comunicado divulgado por Washington.

Segundo a Yonhap, o míssil foi disparado de Pyongsong, na província de South Pyongan, que fica ao norte de Pyongyang, em direção ao leste. Militares sul-coreanos estão analisando os detalhes com o Estados Unidos, acrescenta a agência.

O governo japonês estima que o míssil voou por 50 minutos e caiu na zona econômica exclusiva do país, informa a emissora de TV japonesa NHK.

Em resposta, as forças armadas da Coreia do Sul conduziram um lançamento de míssil de "ataque de precisão", segundo os militares citados pela Yonhap. A agência não deixa claro qual o alvo deste projétil.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, ordenou uma reunião de emergência com o gabinete de ministros e classificou o lançamento como um "ato violento" que "não pode ser tolerado". "Nunca cederemos ante nenhum ato de provocação. Reforçaremos nossa pressão" sobre Pyongyang, declarou à imprensa.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in convocou uma reunião do Conselho de Segurança Nacional de seu país para discutir o lançamento.

Reunião de emergência

Estados Unidos, Japão e a Coreia do Sul pediram uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para abordar o lançamento norte-coreano, informou uma fonte oficial, segundo a France Presse.

A reunião em caráter de urgência será realizada nesta quarta-feira (29) às 16h30 locais (19h30 de Brasília), segundo informou a missão americana.

Sanções

O último míssil disparado pela Coreia do Norte, um Hwasong-12 de alcance intermediário, foi lançado no dia 15 de setembro, sobrevoou o Japão e caiu no Oceano Pacífico.

A comunidade internacional condena os disparos de mísseis e considera os programas nuclear e balístico da Coreia do Norte violações contra as resoluções da ONU.

No dia 11 de setembro, o Conselho de Segurança da Organização impôs, por unanimidade, a proibição das exportações de produtos têxteis do país e limitou as importações de petróleo. Aquela foi a nona resolução de sanções aprovada por unanimidade pelo conselho de 15 membros desde 2006 sobre os programas de mísseis balísticos e nuclear da Coreia do Norte.

Na semana passada, Trump incluiu a Coreia do Norte em uma lista de 'países que patrocinam terrorismo', no que diz ser uma "campanha de pressão máxima" dos EUA em relação à Coreia do Norte.

Fonte: G1

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||