Coreia do Norte ameaça acelerar programa nuclear após aumento de sanções

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

16 de junho de 2017.

A Coreia do Norte afirmou nesta sexta-feira que pretende "acelerar ainda mais" seu programa armamentístico nuclear perante as sanções e a pressão internacional sobre o país, que a seu julgamento constituem uma "agressão" comandada pelos Estados Unidos e novas forças hostis.

O ministério norte-coreano de Assuntos Exteriores lançou hoje esta advertência em um comunicado divulgado pela agência estatal KCNA, no qual também realiza uma recontagem das sanções que pesam sobre o país há décadas pelos seus sucessivos testes nucleares e lançamentos de mísseis balísticos.

"As desprezíveis sanções e a pressão imposta sobre a DPRK (sigla em inglês de República Democrática Popular da Coreia, nome oficial do país) chegaram ao extremo", aponta o comunicado.

Com esta intensificação da pressão, "o ódio e a ira do Exército e do povo só aumentarão, e a DPRK acelerará ainda mais o desenvolvimento da sua força nuclear para cortar pela raiz a base desta agressão", aponta a nota.

O que se sabe sobre o programa nuclear da Coreia do Norte

O comunicado também recapitula as sanções que pesam atualmente sobre o regime, que afetam 15 órgãos do Partido dos Trabalhadores e do governo, 73 entidades e cerca de 90 indivíduos, bem como 16 aviões e navios de carga, "nenhum dos quais está associado ao transporte de munição", segundo o ministério.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou no começo do mês uma nova resolução que amplia as sanções econômicas impostas à Coreia do Norte pelo seu programa balístico e nuclear, que vem intensificando apesar das advertências das Nações Unidas.

Pyongyang realizou neste ano dez testes de mísseis de diferente tipo, o que elevou a tensão na região e suscitou uma enérgica resposta por parte da Administração de Donald Trump, que aumentou seu desdobramento militar perto da peninsula da Coreia e inclusive insinuou a possibilidade de realizar ataques preventivos.

Fonte: AFP

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||