Coreia do Norte acusa CIA de complô para assassinar Kim Jong-Un

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

05 de maio de 2017. 

 

Coreia do Norte acusou nesta sexta-feira (5) a Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos de conspirar com a Coreia do Sul para assassinar o líder do país, Kim Jong-Un, em um momento de grande tensão na região.

A CIA e os serviços de inteligência de Seul planejaram um "vicioso complô com substâncias bioquímicas" para assassinar o dirigente norte-coreano durante cerimônias públicas em Pyongyang, afirma em um comunicado o Ministério da Segurança do Estado.

Segundo o texto, para a CIA, "o assassinato por uso de substâncias bioquímicas incluindo substância radioativa e nanossubstância venenosa é o melhor método, que não requer acesso ao alvo". Para realizar o ataque, a CIA e os serviços de inteligência de Seul teriam "corrompido ideologicamente e subornado um cidadão norte-coreano de sobrenome Kim".

"Vamos desmascarar e impiedosamente destruir até o último dos terroristas da CIA dos Estados Unidos e do [serviço de inteligência] boneco da Coreia do Sul", continua o comunicado, acrescentando que o enredo é equivalente a uma "declaração de guerra".

"O crime hediondo, que foi recentemente descoberto e destruído, é uma espécie de terrorismo não só contra a Coreia do Norte, mas a justiça e a consciência da humanidade", conclui.

Segundo o comunicado, o ataque poderia ser realizado durante um desfile militar no mausoléu que abriga os corpos do pai do líder norte-coreano, Kim Kong-Il, morto em 2011, e de seu avô, Kim Il-Sung, o pai fundador da nação.

Mas uma operação deste tipo seria extremamente difícil de preparar e executar, estando o líder norte-coreano constantemente cercado de medidas de segurança.

O comunicado não revela mais informações sobre como o complô teria sido desbaratado ou o que aconteceu com o suposto espião que deveria executar o crime. De acordo com o ministério, o homem, que teria um cúmplice chinês, recebeu até US$ 740 mil e equipamentos, incluindo material de transmissão.

Guerra verbal

A acusação foi divulgada após a intensificação da guerra verbal entre Coreia do Norte e Estados Unidos nas últimas semanas. O governo de Donald Trump adotou uma retórica áspera, dizendo estar pronto para, sozinho, resolver a questão norte-coreana.

Há poucos dias, o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, afirmou na ONU que "todas as opções estão sobre a mesa" a respeito da Coreia do Norte e as ameaças de testes nucleares.

O anúncio de Pyongyang também acontece após o assassinato em fevereiro na Malásia do meio-irmão do líder norte-coreano, Kim Jong-Nam. Ele foi envenenado com VX, um poderoso agente neurotóxico, e tanto a Malásia quanto a Coreia do Sul acusaram o regime comunista.

Fonte: G1

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||