Conselho de Segurança faz reunião de emergência sobre violência na Síria

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

25 de setembro de 2016.

Enviado especial da ONU ao país, Staffan de Mistura, discursou no encontro realizado após bombardeios à cidade de Alepo; ele disse que Estados Unidos e Rússia têm de fazer tudo para evitar que país chegue ao precipício

Os 15 países-membros do Conselho de Segurança realizaram uma sessão de emergência neste domingo após uma série de bombardeios à cidade de Alepo, na Síria.

Segundo as Nações Unidas, 275 mil sírios estão sem poder sair do leste de Alepo, onde a ajuda humanitária está acabando.

Ataque sem precedentes

O enviado especial da ONU à Síria, Staffan de Mistura, participou da reunião e disse que os Estados Unidos e a Rússia têm que fazer todo o possível para evitar que o país árabe chegue ao precipício.

Mistura afirmou ainda que pelo menos 200 pessoas morreram no bombardeio de quinta-feira à cidade. O enviado especial da ONU contou que o nível do ataque foi sem precedentes.

Entre a munição utilizada estavam bombas anti-bunker que deixaram crateras nas áreas atingidas.

Staffan de Mistura pediu ao Conselho de Segurança, com base no ponto de vista humanitário, que pressione pelo fim da violência e a proteção de civis e da infraestrutura.

Ele disse ainda que é preciso haver uma pausa de 48 horas por semana para a passagem de ajuda aos moradores de Alepo.  Segundo o enviado especial, a ONU e os parceiros têm de ter acesso à cidade sem nenhuma condição seja do governo ou da oposição.  Ele também pediu a evacuação médica de doentes que precisam de socorro.

Escombros
 
Um acordo de cessar-fogo temporário que estava em vigor após uma decisão dos Estados Unidos e da Rússia foi suspenso na semana passada.  De Mistura afirmou que os dois países, que são membros permanentes do Conselho de Segurança, devem fazer mais para acabar com o que ele chamou de um banho de sangue.  Pelo menos 2 milhões de pessoas estão vivendo numa cidade sitiada.
 
Após o bombardeio com a pesada munição, de Mistura afirmou que a cidade foi reduzida a escombros.
 
O Grupo Internacional de Apoio à Síria é co-presidido por norte-americanos e russos, mas a força-tarefa conta ainda com a ONU, a Liga Árabe, a União Europeia e 16 países.
 
Ainda na manhã deste domingo, o secretário-geral da ONU Ban Ki-moon disse que está chocado com a escalada da violência em Alepo.
 
Segundo ele, o uso de bombas anti-bunker eleva o conflito para um novo nível de barbárie. Ban lembrou que a lei internacional é clara: o uso de armas indiscriminadas em áreas populosas é um crime de guerra.
 
Ao mencionar a reunião de emergência no Conselho de Segurança, Ban perguntou que desculpa pode haver para não acabar com o que ele chamou de uma carnificina, e terminou pedindo a todos que façam sua parte para pôr fim à violência na Síria.
 
Fonte: Rádio ONU.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||