Conflitos armados cada vez mais complexos têm impacto terrível sobre crianças

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

26 de agosto de 2016.

Avaliação é da representante especial do secretário-geral sobre crianças e conflito armado, Leila Zerrougui; em seu relatório anual à Assembleia Geral da ONU, ela destacou impacto "arrasador" em menores, apesar de avanços alcançados no último ano.

O impacto da falha coletiva em prevenir e acabar com conflitos sobre as crianças é grave, segundo a representante especial do secretário-geral da ONU sobre crianças e conflito armado, Leila Zerrougui.

A especialista mencionou violações contra menores se intensificando em diversos conflitos. Ela ressaltou que essa situação decorre diretamente de uma erosão do respeito ao direito internacional humanitário e de direitos humanos pelas partes em conflito.

Relatório Anual

Em seu relatório anual à Assembleia Geral da ONU, Zerrougui destacou o impacto "arrasador" de conflitos cada vez mais complexos sobre as crianças, apesar de ações concertadas e "progresso significativo" alcançado no último ano.

O documento cobre o período entre agosto de 2015 e julho de 2016. O relatório menciona que a proliferação de atores envolvidos em conflito armado e operações aéreas entre fronteiras criaram "ambientes altamente complexos para a proteção de meninos e meninas".

Países

Um comunicado à imprensa sobre o relatório explicou que em 2015 e na primeira metade de 2016 o Afeganistão registrou o número mais alto de mortes e ferimentos de crianças desde que a ONU começou a documentar sistematicamente vítimas civis.

Além disso, a violência na Síria e no Iraque continuou "inabalável". O documento cita ainda conflito afetando menores no Sudão do Sul e no Iêmen.

O relatório atual também marca o 20º aniversário do mandato sobre "crianças em conflito armado" e faz um balanço das conquistas realizadas desde a publicação do pioneiro relatório feito pela ativista Graça Machel.

Acordo Histórico

Desde o ano 2000, mais de 115 mil crianças foram libertadas. Ações com grupos armados não-estatais estão crescendo e recentemente contribuíram para um acordo histórico entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo, Farc-EP, para soltar todas as crianças das fileiras do grupo.

Crianças, não Soldados

A defesa gerada por este mandato, e reforçada pela campanha Crianças, não Soldados, levou a um consenso global entre os Estados-membros da ONU de que crianças não pertencem a forças de segurança em situações de conflito.

No entanto, o relatório cita questões complexas e emergentes que precisam de atenção particular, incluindo desafios colocados pelo extremismo violentos e pelo deslocamento, entre outras.

Refugiados

De acordo com a Agência da ONU para Refugiados, Acnur, 65,3 milhões de pessoas em todo o mundo, um número inédito, foram forçadas a fugir de suas casas.

Entre elas cerca de 21,3 milhões são refugiados, mais da metade crianças. Assim, a representante especial do secretário-geral da ONU encoraja os Estados-membros e outros parceiros a apoiarem iniciativas que ajudem crianças deslocadas a reconstruirem suas vidas, inclusive garantindo que a educação seja priorizada em situações de emergência.

Recomendações

Entre as recomendações feitas pelo relatório à Assembleia Geral e aos Estados-membros estão garantir os direitos das crianças deslocadas por conflito e tratar os menores supostamente associados com grupos armados não-estatais como vítimas com direito a plena proteção e seus direitos humanos.

Tomar medidas adequadas para reintegrar crianças, dando atenção especial às necessidades das meninas, é outra das orientações.

Fonte: Rádio ONU.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||