Como a Lituânia se prepara para 'invasão das tropas russas'

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

06 de dezembro de 2016.

Um F-22 Raptor da força aérea dos EUA decola da base de Siauliai, na Lituânia, em 27 de abril de 2016

As autoridades lituanas estão ativamente divulgando panfletos que explicam à população civil as medidas de resistência contra uma possível 'agressão russa', enquanto há cada vez mais aulas sobre este tema nas escolas, diz o Guardian.

A questão que provoca a maior preocupação entre os lituanos, segundo o jornal, é a seguinte: "O que fazer caso a Rússia nos invada?". Os altos funcionários que estão se debruçando sobre esta questão não deixam de tentar aumentar a capacidade defensiva do país.
 
Por exemplo, em uma nova instrução de resistência, caso o país seja invadido, as autoridades lituanas propõem que a população "trabalhe pior do de costume". Tal conduta, na opinião do autor, pode fazer com que o país báltico se livre mais rapidamente da presença das tropas adversárias.

A divulgação ativa de panfletos informativos dedicados a uma possível ocupação do país já virou atividade preferida para as autoridades lituanas. O manual de "preparativos para a sobrevivência" já foi reeditado três vezes.
 
Segundo frisa o Guardian, o conteúdo dos panfletos informativos é cada vez mais criativo. Se o primeiro manual tinha um caráter discreto e apelava aos lituanos para que não temessem "tiroteios nas ruas", o segundo panfleto chamado de "Abordagem Divertida das Recomendações Sérias" já é dirigido aos jovens. Em particular, o jornalista do Guardian diz que lhe chamou atenção a abundância de gatinhos desenhados nas páginas do manual.
 
O Guardian também conseguiu obter um comentário de um dos voluntários que estão divulgando os panfletos.
 
"Nossa mídia nos conta permanentemente sobre um conflito emergente [com a Rússia], mas o perigo existente é evidentemente exagerado. Apenas uma percepção clara daquilo que se deve fazer nas situações de emergência pode ajudar os lituanos a se sentirem seguros de novo", manifesta um ativista dos direitos humanos.
 
O autor opina que a preocupação das autoridades lituanas pode ser explicada pelas perspectivas nebulosas da Aliança Transatlântica. Os representantes da Lituânia esperam que as relações dos EUA com os países do Báltico permaneçam ao mesmo nível, mas preparam seu povo "para o pior" com antecedência.
 
"Devemos mostrar que cada um de nós está disposto a resistir a qualquer tipo de agressão e combater por cada centímetro do nosso território", diz o ministro da Defesa lituano citado pelo jornalista.

Em 20 de novembro se realizaram as manobras Espada de Ferro das tropas da Aliança Atlântica, das quais participaram 11 países-membros da OTAN. Mais cedo, durante a cúpula da OTAN em Varsóvia, foi decidido criar um batalhão internacional, cujo núcleo fosse constituído por forças alemãs.

Fonte: Sputnik

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||