China na guerra contra o Estado Islâmico na Síria?

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

23 de novembro de 2016.

 

 

 
Especialista nas relações entre China e Irã falou à Sputnik sobre as chances de Pequim ter uma postura mais ativa e atuar militarmente na luta contra o terrorismo.

Na primeira visita desde a Revolução Islâmica de um ministro da Defesa da China à Teerã, o encontro histórico entre o ministro chinês Chang Wanquan e o seu homólogo iraniano, Hossein Dehghan, foi marcado por um acordo de cooperação militar e trocas de experiência na luta contra o terrorismo.
 
Tendo em vista que o exército da China é um dos maiores do mundo (2,3 bilhões de pessoas), enquanto o Irã tem grande experiência na luta contra o terrorismo e realiza uma luta sem precedentes contra este flagelo dentro das suas fronteiras e na frente sírio-iraquiana, vale a pena esperar maiores perspectivas de colaboração militar entre Pequim e Teerã, em particular na luta contra o terrorismo na Síria?
 
O especialista nas relações entre China e Irã do Centro de Teerã para Estudos Estratégicos e um membro do Conselho Científico da Universidade de Teerã, Mohsen Shariatiniya, falou à Sputnik Persian sobre as perspectivas de cooperação de Teerã e Pequim contra o terrorismo.

“A China, tendo em conta os desdobramentos no cenário internacional assume uma postura pró-ativa na luta contra o terrorismo. Mas essa atividade é limitada ao papel construtivo desempenhado pela China na ONU, bem como no apoio aos países que estão na linha de frente da luta contra os terroristas”, disse.
 
Segundo ele, esse apoio não inclui a colaboração dos militares, tendo um caráter exclusivamente político.
 
“Acredito que essa posição da China será mantida em diante. Por isso, as perspectivas de uma participação prática da China na luta contra o Daesh [Estado Islâmico] na Síria ainda não são grandes”.
 
Ao comentar as perspectivas da cooperação militar entre Irã e a China, tendo em vista que a autoridade iraniana no setor de segurança está crescendo, Shariatiniya observou que uma nova página foi aberta neste sentido com a comprovação da natureza pacífica do programa nuclear iraniano.

"Deve ser lembrado que, no passado, em diferentes períodos do Irã e da China sempre houve uma parceria muito boa, inclusive na esfera militar. Mas eu acho que, com o início do Plano de Ação Conjunto Global a comprovação da natureza pacífica do programa nuclear iraniano, foi aberta uma nova página para o desenvolvimento e fortalecimento da cooperação iraniana-chinesa na esfera da segurança. Naturalmente, espera-se que a cooperação militar entre Irã e China só aumente se desenvolva".
 
Fonte: Sputnik

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||