Atentado do Estado Islâmico deixa 44 mortos em cidade síria

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

27 de julho de 2016.

Ao menos 44 pessoas morreram e 140 ficaram feridas em um atentado na cidade síria de Qamishli, de maioria curda, perto da fronteira com a Turquia.

O ataque foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI).

Em um comunicado divulgado nas redes sociais, o grupo extremista disse que o ataque foi lançado por um suicida com um caminhão repleto de explosivos em resposta aos ataques contra a cidade de Manbij, um reduto do EI na província de Aleppo.

A agência Amaq, um órgão de propaganda vinculado ao EI, informou que o alvo do ataque era um edifício do Estado-Maior das forças curdas em Qamishli.

Trata-se do pior atentado e do mais mortífero já sofrido nesta cidade desde o início do conflito, em março de 2011.

Ao menos 44 pessoas morreram e 140 ficaram feridas no ataque contra edifícios da administração autônoma curda nesta cidade síria, segundo o último balanço dos meios de comunicação oficiais.

A televisão nacional síria informou sobre um "atentado terrorista" que, segundo a agência oficial Sana, deixou "44 mortos e 140 feridos, vários deles em estado grave".

Em um balanço anterior, a televisão indicou ao menos 31 mortos e 170 feridos e explicou que as operações de resgate prosseguem.

Por sua vez, o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) anunciou ao menos 14 mortos e várias dezenas de feridos.

As imagens do atentado mostram uma zona devastada, repleta de escombros, e vários edifícios danificados.

Segundo um jornalista da AFP que cita uma fonte das forças de segurança curdas (Assayech), "trata-se do maior atentado cometido na cidade" de Qamishli, que deixou danos consideráveis e corpos entre os escombros.

Na zona do atentado eram observadas cenas chocantes, com os feridos correndo em busca de ajuda em meio à fumaça provocada pelos vários focos de incêndio.

Um homem corria coberto de sangue com uma criança, suja de sangue e poeira, nos braços.

Mais adiante uma mulher chorava e gritava junto a duas crianças emudecidas, em estado de choque.

Segundo a mesma fonte, um suicida que estava em um grande caminhão detonou seus explosivos perto de um posto de controle próximo a uma zona com vários edifícios da administração autônoma, instalados pelos curdos nos territórios que controlam no noroeste da Síria.

Um dos imóveis abriga o organismo curdo de defesa.

A fonte também falou de hospitais lotados devido ao grande número de vítimas.

A televisão nacional síria indicou que o governador da província de Hassake, onde se localiza Qamishli, fez um apelo à população para que doe sangue às vítimas nos hospitais públicos e privados.

Os primeiros relatos informavam sobre dois atentados, mas segundo fontes em Qamishli e do OSDH a explosão do caminhão provocou uma segunda deflagração de um depósito de gás.

A maior parte da província de Hassake está controlada pelas forças curdas que estabeleceram uma "administração autônoma", enquanto as forças governamentais sírias controlam o aeroporto e alguns bairros de Qamishli.

O resto da província está nas mãos das Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG), a principal força militar curda, que em março anunciaram a criação de uma zona autônoma no nordeste da Síria.

Os combatentes curdos estão na linha de frente do combate ao grupo Estado Islâmico (EI) e conquistaram vitórias no norte e no leste da Síria, que levaram os terroristas a responder com ataques suicidas.

Fonte: AFP.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||