Agências da ONU alertam para situação "catastrófica" no Sudão do Sul

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

11 de março de 2016.

 

O Unicef, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) e o Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU alertaram nesta sexta-feira para a "catastrófica" situação no Sudão do Sul desde a explosão do conflito em dezembro de 2013.

Segundo relatório do Escritório de Direitos Humanos da ONU, o conflito civil provocou p deslocamento de mais de dois milhões de sul-sudaneses, e o assassinato de "centenas de milhares".

Os dados divulgados pela Acnur indicam que no último ano 14 mil sul-sudaneses se refugiaram em Uganda e 11 mil no congo, e desde 2013 outras 900 mil pessoas fugiram para a República Centro-Africana, país onde a situação política e de segurança também é muito volátil.

Todos estes refugiados e deslocados fugiram da escalada de violência documentada pelas Nações Unidas, que alertou que os ataques contra a população civil e, especificamente, os de tipo sexual, explodiram.

Desde 2013, todas as partes do conflito realizam ataques contra civis, estupros, detenções arbitrárias, sequestros e privações de liberdade, desaparições e inclusive ataques a equipes e instalações da ONU, segundo um relatório do Alto Comissariado de Direitos Humanos.

Só entre abril e setembro de 2015, a ONU registrou em uma das províncias do país mais de 1.300 estupros, o que sugere que "os abusos sexuais estão sendo utilizados como arma de guerra e como prática aceitável entre as milícias".

O documento descreveu que as mulheres são tratadas como propriedades e são forçadas a deslocarem para onde estão seus agressores, algumas obrigadas a se casarem com eles, e outras devolvidas à família, onde também sofrem violência doméstica pela vergonha e o estigma de terem sido estupradas.

A violência sexual também afeta as crianças. Desde o início do conflito, a ONU registrou 702 casos de estupros de crianças com menos de nove anos.

E desde 2014 foram recrutadas cerca de 617 menores, embora as agências temam que este número seja maior.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alertou que a ajuda humanitária para o país está a beira do colapso, o que colocará centenas de milhares de crianças em perigo.

A agência humanitária advertiu que só conseguiu arrecadar 18% do valor solicitado, o que pode deixar 3,3 milhões de crianças sem vacinas contra o sarampo, além de 260 mil não poderem voltar à escola e 7.300 não poderem ser reunidos com suas famílias.

Além disso, o Unicef disse que as reservas essenciais de alimentos acabarão em agosto, fato que, unido à época de "vacas magras" esperada para maio, deixará 40 mil pessoas em risco de inanição.

A pobreza também aumentou de maneira alarmante nas cidades, pois os preços dos alimentos dispararam.

Em Juba, a capital, a taxa de desnutrição infantil é três vezes mais alta que nas zonas rurais próximas.

O porta-voz do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Jens Laerke, expressou em entrevista coletiva sua preocupação com o pouco financiamento recebido (7,8% do total, cerca de US$ 100 milhões) pelos doadores para enfrentar a situação no Sudão do Sul.

"Sabemos que leva tempo para conseguir o dinheiro, mas a esta altura (a ajuda foi pedida em dezembro) esperávamos contar com um valor mais alto", lamentou. 

Fonte: EFE.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||