A guerra na porta de casa: os civis que vivem em meio à batalha por Mossul

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

22 de novembro de 2016.

Forças de segurança do Iraque, combatentes curdos, membros de tribos árabes sunitas e milicianos xiitas estão envolvidos na operação militar que tenta tomar Mossul do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico, que controla a cidade há mais de dois anos.

A ofensiva, assistida por aviões da coalizão liderada pelos EUA, ocorre desde o dia 17 de outubro.

A batalha tem forçado milhares de iraquianos a abandonar suas casas, mas o governo pede que os civis não abandonem suas moradias.

Uma missão difícil, tendo em vista que a missão pode levar semanas, senão meses.

As autoridades iraquianas temem que a saída dos moradores cause uma crise humanitária ainda maior no país.

Enquanto isso, crianças vivem cercadas pelo confronto, que não tem um front facilmente identificável.

"O Estado Islâmico está a 200 metros nessa direção", diz o repórter da BBC Quentin Sommerville, apontando para a esquerda.

"Se você olhar para lá, vai ver crianças correndo, brincando. Elas moram a 20 metros daqui", afirma, dessa vez apontando para a direita.

Embora pendurem bandeiras brancas em suas casas, os civis não estão livres do perigo.

Muitos acabam morrendo ao sair para fazer tarefas rotineiras, como comprar comida.

Fonte: BBC

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||