Junho passado foi o mais quente da história moderna

"...e grandes sinais do céu." Lucas 21:11

19 de julho de 2016.

 

O mês passado foi o junho mais quente da história moderna, marcando o 14ª mês consecutivo em que os recordes globais de calor foram quebrados, informou na terça-feira a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA).

"A temperatura média global sobre as superfícies terrestres e oceânicas em junho de 2016 foi a mais alta para o mês de junho nos registros de temperaturas globais da NOAA, que remontam ao ano de 1880", afirmou a agência americana em um comunicado.

"Trata-se do 14ª mês consecutivo em que o recorde de temperatura global mensal foi quebrado, o período mais longo em 137 anos de registros", acrescentou.

O relatório, divulgado mensalmente pela NOAA, também disse que a temperatura global média dos primeiros seis meses de 2016 foi a mais alta já registrada para esse período. 


A temperatura média combinada sobre as superfícies globais do solo e dos oceanos em junho foi 0,9 grau Celsius acima da média do século XX, de 15,5 graus. 

"Junho de 2016 marca o 40º junho consecutivo com temperaturas acima da média do século XX, pelo menos nominalmente", disse a NOAA. 

A agência americana também disse que 14 dos 15 picos recordes de calor registrados ocorreram desde fevereiro de 2015, o que mostra que o aquecimento global está se acelerando.

Em junho, a média de temperatura na superfície terrestre do planeta foi de 1,23 graus acima da média mensal do século XX (13,2 graus), empatada com o recorde absoluto para esse mês, que foi atingido em 2015. 

Na superfície dos oceanos, a temperatura média global em junho foi 0,77 grau acima da média mensal do século passado (16,3 graus), tornando o mês passado o junho mais quente já registrado, ultrapassando em 0,02 grau o recorde anterior, estabelecido na superfície dos mares em junho de 2015.

Especialistas dizem que o aquecimento global é pelo menos parcialmente responsável por uma série de desastres ambientais ao redor do mundo, desde o branqueamento da Grande Barreira de Coral da Austrália até os incêndios florestais que devastaram o Canadá em maio. 

O ano passado foi o mais quente já registrado, ultrapassando 2014, que já tinha batido o recorde.

Fonte: AFP.

voltar para Grandes sinais do céu

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||