Descongelamento da Groenlândia irá parar corrente do Golfo e gelará Europa

"...e grandes sinais do céu." Lucas 21:11

28 de dezembro de 2016.

 

A poderosa corrente do Golfo, que mantém a Europa do Norte e partes da Rússia Ocidental mais quentes que outras partes do mundo que ficam à mesma latitude, pode falhar se as emissões de gases com efeito estufa aumentarem, disse uma equipe internacional de pesquisadores.
 
O aquecimento global e o gelo que está descongelando podem seriamente enfraquecer a corrente do Golfo e no final levar à sua paragem, o que causará consequências incalculáveis para a precipitação, gelo marítimo, nível do mar e calamidades naturais no Atlântico Norte e outros locais da Terra, prevê o grupo internacional de pesquisadores em seu estudo que foi publicado na revista científica Geophysical Research Letters.

Segundo o professor dinamarquês do clima Sebastian H. Mernild, diretor executivo do Centro Nansen de Sensoriamento remoto e Ambiente em Bergen, Noruega, o descongelamento, principalmente da camada de gelo da Groenlândia, pode resultar em um fluxo de água doce que afetará o sistema de correntes profundas e de superfície do oceano Atlântico, inclusive a corrente do Golfo que é responsável por aquecer a Europa, disse o jornal dinamarquês Berlingske.
 
O aumento do nível de água proveniente da camada de gelo da Groenlândia deverá acelerar devido ao aumento de densidade de gases estufa na atmosfera. Entretanto, o equilíbrio das correntes oceânicas pode ser destruído de forma mais rápida.
 
A pesquisa propôs dois cenários possíveis. Um, que é o "bom", prevê que o mundo conseguirá ultrapassar o problema de dióxido de carbono até 2040.

Neste caso, a corrente do Golfo será enfraquecida somente em 18% até o fim do século XXI.
 
O outro cenário, o de pesadelo, prognostica que as emissões de dióxido de carbono continuarão crescendo e que a corrente do Golfo perderá cerca de 37% do seu potencial até 2100. Até 2300, esta corrente quente perderá cerca de 75% do seu potencial e poderá mesmo desparecer, pensam os cientistas.
 
"As mudanças na corrente do Golfo e gelo marítimo, em conjunto com recentes desenvolvimentos na Antártica, onde muitas geleiras se tornaram instáveis, significa que nos dirigimos em uma direção desconhecida", disse Sebastian H. Mernild, destacando que a Antártica contém até oito vezes mais gelo que a Groenlândia.
 
Mais cedo neste ano, no Ártico, bem como no Antártico, foram registrados os índices mais baixos de extensão de gelos marinhos. Cientistas foram surpreendidos com o fato de que o gelo está descongelando quando a região está entrando no período de inverno. A subida de temperaturas causa o descongelamento do permafrost, o que liberta mais gases de efeito estufa. Como resultado, o nível do mar pode se elevar em vários metros nos próximos séculos inundando grandes partes de áreas costeiras.

A corrente do Golfo é uma poderosa corrente quente no oceano Atlântico que tem seu início no golfo do México. A corrente do Golfo assegura o clima bastante suave na Escandinávia (em comparação com o clima na Sibéria, onde as temperaturas podem atingir 40 graus negativos). Considera-se que a corrente que leva as águas quentes da bacia das Caraíbas ao longo do Atlântico aquece o norte da Europa em cerca de seis graus.
 
A Groenlândia é o maior bloco de gelo no hemisfério setentrional e preserva água doce suficiente para elevar o nível do mar em mais de sete metros.
 
Fonte: Sputnik

voltar para Grandes sinais do céu

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||