Asteroide com 40 metros de extensão vai passar de raspão pela Terra

"...e grandes sinais do céu." Lucas 21:11

27 de agosto de 2016.

 

Os astrônomos Cristóvão Jacques, João Ribeiro de Barros e Eduardo Pimentel, responsáveis pelo Observatório do Sul para Pesquisa de Asteroides Perto da Terra (Sonear, da sigla em inglês) instalado em Oliveira, no Centro-Oeste de Minas, fizeram uma importante descoberta durante a madrugada deste sábado (27). Às 3h20 eles flagraram um asteroide de 40 metros de extensão prestes a passar de raspão pela Terra.

A rocha espacial passará a 86 mil quilômetros da superfície do planeta – o que equivale a menos de um quarto da distância até a Lua. A observação máxima deverá ocorrer às 22h25, hora de Brasília, neste sábado. O pouco tempo de observação impede que os especialistas consigam determinar a órbita exata, mas eles afirmam que não há risco de colisão.

"Estou bastante impressionado. Quando o achamos, ele estava a 685 mil quilômetros de distância. Em menos de 24 horas já estava a pouco mais de 86 mil. Enviamos nosso registro ao Minor Planet Center, nos Estados Unidos. Esse órgão centraliza as informações de astrônomos do mundo todo. Eles perceberam que esse objeto que detectamos passará pela Terra a 86 mil quilômetros", explicou Cristóvão Jacques.

O tamanho da rocha espacial equivale a duas vezes a proporção do meteoro de Chelyabinsk, que em 2012 rasgou a atmosfera sobre a Rússia e produziu uma onda de choque que danificou mais de sete mil edifícios e feriu mais de mil pessoas.

Autor de vários livros sobre o espaço sideral e colunista de ciência do "Jornal das Dez" da GloboNews, o jornalista Salvador Nogueira afirma que essa e outras descobertas já feitas pelo Sonear contribuem para mudar a percepção sobre o universo.

"Gostemos ou não, a essa altura os astrônomos já sacaram que estamos em meio a um interminável campeonato de tiro ao alvo espacial. Estima-se que uma colisão desse porte ocorra em média a cada 100 anos, mas nada impede que esse número tenha sido subestimado. Afinal, não éramos bons em monitorar o globo inteiro em tempo real, que dirá asteroides próximos, até muito recentemente. Uma hora é inevitável que encontremos um bólido celeste que ofereça algum nível de ameaça e tenha nosso nome grudado nele. Felizmente, não será hoje. Por outro lado, você pode esperar relatos similares a esse com certa frequência a partir de agora", comentou.

Observação
Jacques explicou que a observação do asteroide não será fácil. O melhor local para observá-lo será na Europa. Mas o bólido não deverá passar da magnitude de 10,6. Isso significa que não será possível vê-lo com binóculos, muito menos a olho nu.

"Apenas quem tiver um telescópio poderá, talvez, observá-lo passando pela Terra. Digo 'talvez' porque precisarão saber exatamente para onde apontar o telescópio, o que não conseguimos determinar devido ao pouco tempo em que o detectamos", explicou Cristóvão.

Esforço voluntário de defesa
Durante os dois anos e meio de operação, o Sonear direcionou seu telescópio de médio porte para o céu escuro do Hemisfério Sul – fator que favorece a observação a partir dessa parte do planeta. Objetos relativamente pequenos, como o asteroide encontrado neste sábado, costumam passar despercebidos pelos grandes observatórios instalados no hemisfério Norte.

A iniciativa de defesa planetária é voluntária e mantida pelos próprios astrônomos. "Ninguém nos paga nada. Esse é o 24º asteroide que encontramos desde quando começamos esse trabalho. Também já descobrimos quatro cometas, sendo que um deles foi o primeiro descoberto no Brasil. Esse tipo de coisa já é praxe para nós. A gente fica bastante feliz com isso porque o hemisfério Sul só tem uns dois ou três observatórios como o nosso", acrescentou. 

Ainda segundo Cristóvão, a astronomia no mundo depende bastante de observatórios como o Sonear. Se esses asteroides pequenos não são acompanhados de perto imediatamente após a detecção, podem nos pegar de surpresa.

"Se não fosse o clima brasileiro, que costuma gerar muitas nuvens, conseguiríamos observar asteroides a distâncias até três vezes menores do que a existente entre a Terra e a Lua. Esse tipo de coisa é mais fácil no Chile", afirmou.

Fonte: G1.

voltar para Grandes sinais do céu

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||