POR QUE TRUMP ESTÁ ENVIANDO MAIS TROPAS PARA A SOMÁLIA?

Texto traduzido por Professor Renato -  Geopolítica Global

 http://geopoliticaeglobalizacao.blogspot.com.br/

O último exercício de tropas regulares dos EUA na Somália levou a um incidente que provocou horror generalizado. Milicianos somalis derrubaram dois helicópteros dos EUA na Batalha de Mogadíscio em 1993, matando 18 soldados americanos. Eles capturaram vários dos cadáveres, arrastando-os pelas ruas da capital somali. O ataque contribuiu para a decisão do então presidente Bill Clinton de retirar tropas dos EUA dentro de seis meses da Somália, onde eles estavam servindo em uma missão humanitária.
 
Mas agora, à medida que o estado africano se debate com uma insurgência jihadista de longa duração, o governo Trump autorizou o envio de soldados americanos à Somália pela primeira vez desde 1994. (Conselheiros militares e antiterroristas dos Estados Unidos estão presentes na Somália há vários anos , Mas as tropas regulares não.)
 
O comando militar dos Estados Unidos para a África (AFRICOM) confirmou na quinta-feira à Voz da América que soldados norte- americanos da 101ª Divisão Aerotransportada foram desdobrados a pedido do governo federal somali para realizar uma missão de trem e equipamento até setembro. Uma porta-voz do AFRICOM confirmou mais tarde a implantação na AFP e disse que "algumas dúzias" de soldados ajudariam o exército da Somália a "lutar melhor contra Al-Shabab" e conduziria "assistência à força de segurança", sem esclarecer o que isso poderia acarretar.
 
As coisas são bem diferentes na Somália desde o momento do chamado incidente de Black Hawk Down, quando o país foi mergulhado em uma guerra civil depois de derrubar seu líder, Siad Barre, em 1991. O país tem um governo federal recém-eleito que derrubou a Al-Shabab, um grupo militante extremista com ligações à Al-Qaeda. No entanto, alguns dos mesmos flagelos que assolaram a Somália no início dos anos 90 - incluindo uma terrível seca que ameaça escalar para a fome, Rivalidades de clãs e a instabilidade causada por bombardeios freqüentes na capital.
 
O presidente Donald Trump esboçou a derrota dos "grupos terroristas radicais islâmicos "como principal objetivo de política externa de sua administração. Mas, dada a insistência do líder norte-americano em colocar os interesses americanos em primeiro lugar, a implantação da Somália levanta a questão de qual ameaça Al-Shabab representa para os EUA
 
"A questão é justa. Do ponto de vista dos EUA, nós realmente temos um cão nesta caçada? ", Diz Kenneth Menkhaus, professor de ciências políticas no Davidson College e especialista em Somália. "Essa é uma das coisas que o governo Trump vai ter que explicar ao seu círculo eleitoral."
 
O pessoal militar dos EUA esteve envolvido na batalha da Somália com Al-Shabab há mais de uma década. Um porta-voz do AFRICOM disse recentemente à Newsweek que cerca de 100 funcionários foram destacados na Somália. O foco de sua missão era treinar a União Africana e as forças somalis, mas os EUA também realizam regularmente ataques de drone no grupo militante. As forças dos EUA têm levado pelo menos 42 greves na Somália desde 2007, matando até 449 pessoas - incluindo até 28 civis.
 
O Departamento de Estado classificou o Al-Shabab como uma organização terrorista estrangeira em 2008. As operações iniciais dos Estados Unidos na Somália que visa tomar cirurgicamente alvos de alto valor associadas ao grupo do Leste Africano da Al-Qaeda, que precedeu Al-Shabab. 
 
 
Mas essa tática mudou nos últimos meses e anos, segundo Roland Marchal, especialista em Al-Shabab e pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa Científica em Paris. De acordo com Marchal, os Estados Unidos ampliaram agora o escopo de suas operações para incluir campos de treinamento de Al-Shabab e lutadores em movimento; Em março de 2016, por exemplo, o Pentágono assumiu a responsabilidade por greves em um campo de treinamento de Al-Shabab que matou mais de 150 pessoas . Marchal diz que esta tática provavelmente foi motivada pela aparente incapacidade da força da União Africana de 22.000 homens na Somália (AMISOM) de manter o Al-Shabab à distância: os militantes têm freqüentemente atacado as bases da AMISOM nos últimos meses e o grupo assumiu o território onde as tropas da AMISOM se retiraram .
 
De acordo com Marchal, o desdobramento de algumas dúzias mais de tropas dos EUA é improvável que tenha um efeito determinante sobre o resultado da guerra contra Al-Shabab. "Qual é o objetivo da guerra? É só matar combatentes do Al-Shabab? Se você matar 100, 200 Al-Shabab lutadores, ele precisa de apenas três ou quatro meses para obter este número de lutadores de volta ", acrescenta Marchal. Só uma solução política, diz ele, pode acabar com a insurgência, e isso só pode ser instigado pelos governos federal e estadual da Somália.
 
Há também o risco de as forças dos EUA serem manipuladas por lados opostos na complexa sociedade baseada no clã da Somália. Em setembro de 2016, as forças de segurança no estado semi-autônomo de Puntland pediram greves dos EUA contra combatentes da oposição que se acredita serem Al-Shabab.
 
 
 
Além dos bombardeios da embaixada de 1998, Al-Shabab não lançou nenhum ataque bem sucedido aos interesses dos EUA na região. Mas o grupo pediu ataques no Ocidente - e até usou Trump em um vídeo de propaganda de 2016 - e dezenas de cidadãos americanos se uniram ou tentaram se juntar ao grupo, muitos provenientes de Minneapolis, que tem uma das maiores concentrações de imigrantes somalis nos Estados Unidos. O envio de mais tropas dos EUA para a Somália segue uma diretriz presidencial em março que afrouxou as condições para ataques aéreos contra Al-Shabab na Somália, um sinal de que o governo Trump pode querer acelerar seus esforços militares contra o grupo.Em última análise, a administração Trump - como as administrações anteriores - está ciente de que o poder de fogo dos EUA sozinho não pode derrotar o grupo militante, de acordo com Menkhaus. "Eu nunca conheci um funcionário do governo americano, civil ou militar, que acredita que o Al-Shabab pode ser derrotado apenas por forças armadas dos Estados Unidos", diz ele.
 
Em vez disso, a implantação constitui uma tentativa de ajudar a Somália a ajudar-se. "A idéia é se você pode encapsulá-los, degradar sua liderança e ganhar tempo para o governo federal da Somália e os estados regionais se estabelecerem", diz Menkhaus, "então esse problema será em grande parte cuidar de si mesmo"

Enviar comentário

voltar para Conhecendo Mais Sobre...

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||