O Macabro Plano Andino - Já está acontecendo

 
"Estamos vendo com mais freqüência que novas nações emergem no mundo, para que isso aconteça, deve haver uma razão. Se não, você tem que criá-lo, você precisa planejar, organizar e preparar a sua execução. "Agora, que não há nenhuma razão particular. Para criá-lo, a situação a nosso favor. Um deles é, em princípio, CHAOS aprofundar a confusão existente promover, aprofundar a corrupção, especialmente na política, administrativa, cultural e social. "No campo econômico, devemos aumentar a corrupção administrativa e ilegal especulação promover e aprofundar e especulação, trazem miséria e injustiça à sua conclusão final, especialmente nas aldeias abrangidas pela área de Andinia, Capital Federal resultante da devastação dos direitos federais das províncias; reprimir qualquer ato que representa a reação ou acção de auto-defesa pelo povo. Nestes repressão violenta é de primeira necessidade a ser utilizadas as tropas das Forças Armadas, especialmente o Exército, porque o que irá produzir o confronto com as pessoas, levando a descrédito. Consequentemente, moral causa enfraquecimento dos seus membros: um profundo processo de desintegração a ser apresentado através do governo, causando confrontos sucessivos dentro dele, o que será alcançado CAOTIZACIÓN de suas pinturas e corrupção de sua disciplina, atingindo o menor nível de desempenho e eficiência. 
 
 
Nos fins do sec. XIX um grupo de europeus decidiu colonizar esse território. Conhecidos como “Sionistas” era constituído por uma minoria de extremistas dentro das colectividades judaicas. Queriam criar uma pátria judaica, pensaram inicialmente em localizar-se algures em Africa ou na América do Sul (Plano Andínia), acabando por escolher a Palestina para implantar essa colonia.
 
 
Tais imigrantes não causaram, de início, qualquer problema. Porém, à medida que aumentava a deslocação de sionistas para a Palestina – muitos com o desejo explicito de se apoderarem do território para fundar um estado Judeu – a população autóctone foi ficando cada vez mais preocupada. Como consequência acabou por haver lutas entre os dois grupos, com escalada das vagas de violência.
 
 
O Sionismo é uma heresia, e os verdadeiros judeus não são contaminados pelo Sionismo. Judeus verdadeiros não se envolvem com as atividades sionistas. De acordo com a Torah, não nos é permitido insultar, humilhar ou dominar outro povo.
 
 
* Toda terra deve ser devolvida à nação palestina, e outras terras ocupadas devem ser devolvidas à Síria e ao Líbano.
 
 
* Políticos sionistas e seus companheiros de viagem, mesmo se aparentarem religiosidade, não falam pelo povo judeu. De fato, a conspiração sionista contra a tradição e lei judaicas tornam o Sionismo e todos os seus feitos e entidades os arqui-inimigos do povo judeu!
 
* O Estado Sionista ou qualquer organização sionista, ou uma que se auto-denomina "Conselho Ortodoxo Mundial" e qualquer indivíduo envolvido neste tema não representa os Judeus fiéis à Torah.
 
* Os judeus fiéis à Torah pedem que os políticos envolvidos com o assunto parem de lidar com isso.
 
Atenção! todos os países do nosso continente, Não confie em nenhum deles. Eles são astutos como as serpentes, mas de olhar inocente.
 
 
Discurso do sionista Menachem Begin, primeiro ministro do estado de ISRAEL entre 1977 e 1983 para o Knesset, o Parlamento israelense: 
 
"Nossa raça é a raça mestre. Nós judeus somos deuses divinos neste planeta. Nós somos tão diferentes das raças inferiores como eles são de insetos. Na verdade, em comparação com a nossa raça, outras raças são bestas e animais, gado na melhor das hipóteses. Outras raças são consideradas excremento humano. Nosso destino é para se pronunciar sobre as raças inferiores. Nosso reino terrestre será regido pelo nosso líder, com uma barra de ferro. As massas vão lamber nossos pés e nos servir como nossos escravos. " 
Menachem (Um terrorista Sionista Askhenazi- Khazarian)
 
Tem sido uma constante que tudo relacionado com o chamado "Plano de Andinia" e as ações do sionismo na Argentina foi classificado, de forma consistente, como resultado da "mente febril" do nacionalismo.
 
Vamos limitar-nos a publicar o seu texto original e completo, como é óbvio a partir do conteúdo da reunião secreta realizada em 1969 pelo rabino Gordon com líderes judeus em Buenos Aires.
 
Desenvolvimentos recentes, como o anúncio de que um rendimento grande área da Patagônia para imigrantes judeus russos (as quantidades reais falar de uma primeira onda de 60.000 a 600.000 indivíduos atingem) foram tratados e analisados ​​a sério e base para várias publicações no campo nacional, que isenta-nos de uma análise mais aprofundada.
 
Nós apenas queremos dar ao leitor a versão completa do "Plano de Andinia" para compará-los com isso e tirar suas próprias conclusões.
 
A reunião secreta 
 
 
Para começar, sabemos que a classe dominante chilena é composta principalmente de judeus e pelos maçons sociedade secreta, a Maçonaria é uma organização pseudo-religiosa que é gerenciado pelo judaísmo internacional.
 
O Judaísmo controla completamente os governos da Inglaterra e da América, e o apoio econômico e militar desses países para o Chile, e tratam de tentar prejudicar os outros países latino-americanos através do FMI e da dívida externa controlada pela bancário mundial nas mãos de judeus .
 
Isto explica também o apoio incondicional a Israel dos EUA e Inglaterra, e seus ataques constantes sobre os árabes, as grandes agências de notícias só nos dão informações que são útieis para eles, em muitos casos distorcidas e falsas.
 
Quase todas as autoridades norte-americanas são judeus, como os seus presidentes, Roosevelt (passou de judeu alemão Rosenfeld), Truman, Eisenhower, Ford, Carter, etc.
 
O atual secretário da Defesa Rumsfeld, seus empresários mais poderosos, como Bill Gates, Rockefeller (Rosenberger mudou, etc.
 
Em 1990, em entrevista à revista brasileira "Veja" o presidente do Citibank o judeu John Reed disse: "O Peru e a Bolívia vai desaparecer."
 
Para além deste plano para dividir a Argentina, Brasil, Colômbia e Venezuela, em menores e, portanto, mais fracos e fáceis para o plano diretor de criar um Estado judeu na Patagônia Argentina, que mais tarde se expandiria para o Chile. Este plano é conhecido como o "Plano de Andínia."
 
"Nós também planejamos assumir a Amazônia através da "United Nations" 
 
(UN), com a criação de uma "Reserva Florestal Internacional" (FIRAF) para o que promoveu, através de ONGs financiadas por eles, e os conflitos tribais de fronteira entre Brasil e Venezuela. e entre o Equador e o Peru, ao que acrescentou as drogas, promovida e protegida pelo "Great Power International," tudo isso para justificar a intervenção internacional no nosso hemisfério, o início do que é promovido o "Plano Colômbia".
 
"Em 23 de março de 1969, de 21 a 23 horas foi realizada na sede do Templo judaico em Passo 423 (Buenos Aires) uma reunião de judeus aschkenazis presidido pelo rabino Gordon de New York Kahal.
 
A traição de um deles permitiu-nos saber o tema da conferência, que se concentrou na Argentina e no Plano de Andínia.
 
O rabino Gordon em 1971 está de volta na Argentina, começou a enfatizar a qualidade da concorrência, absolutamente selecionado, e a importância fundamental do assunto.
 
Na verdade, sua capacidade de agir depende da implementação do Plano que não admitir o fracasso, como Israel e da diáspora estavam pendentes que o sucesso ou fracasso, o que poderia tornar-se a glória ou o sofrimento judaico, como no o presente e futuro próximo, a força da estabilidade do estado de Israel poderia ser movido e para uma emergência desse tipo teria de garantir um futuro para o território do povo judeu no mundo, que transferem seu poder e força, e a partir daí dar início a medidas necessárias para recuperar a Terra histórico, se necessário, causando uma catástrofe global. "
 
Plano de Andínia 
 
A origem da informação remonta a 23 de março de 1963, uma data entre 21 e 23 Hs, na sede do judeu Passo Temple Street # 423 da Capital Federal, foi uma reunião de judeus aschkenazis, presidido pelo rabino Michel Gordon, a Kahal de Nova York.
 
O tema da conferência tratou com a Argentina e o "Plano de Andínia".
 
O rabino Gordon está de volta em nosso país, em 1971, e recentemente esteve em contato com os agentes da comunidade nos países vizinhos do nosso território, habilmente selecionados, dada a importância fundamental do plano de desenvolvimento.
 
Na verdade, sua capacidade de agir depende da implementação do plano, cujo fracasso não é suportado, porque tanto Israel e da Diáspora estão pendentes que o sucesso ou fracasso, o que poderia tornar-se a glória ou o sofrimento judeu, porque a presentes e / ou no futuro próximo, a força da estabilidade do estado de Israel poderia ser movido.
 
Para o trabalho de emergência, na implementação do "Plano de Andínia", já em andamento, o que garantiria FUTURO território para o povo judeu no mundo, e para onde mover o seu poder e força. O "coldna" de um agente permitiu SIC sabe algumas expressões textuais (registrados) pelo rabino Gordon: Transcrevemos:
 
"Agora, meus irmãos, quero dizer que a situação pode tornar-se muito crítica para o mundo judaico não muito distante, se não formos capazes de prevenir e garantir o futuro.
 
Vocês todos sabem o plano de nosso profeta, o Dr. Theodore Herzl (Autor de "O Estado Judeu"), que planejou a criação de dois Estados, um judeu em Israel e um na Argentina, uma vez que em 50 anos teria um feito. Embora naquela época era chamado de "o sonho de Herzl".
 
Hoje nós e o mundo testemunhamos a realização desse "sonho".
 
De fato, a partir de outubro 1887 a maio de 1948 (50 anos e meses), o Estado judeu foi constituído, declarando a sua independência com a maravilha do mundo.
 
O aparecimento de Herzl não foi mais que o aparecimento do Messias para todos os judeus sionistas do mundo.
 
Seus planos foram verificados.
 
Eles não eram sonhos, mas sim realidade. Agora ele continua a ser executado, a segunda parte: o que chamamos de "Plano de Andínia"
 
"Se a Palestina tem sido feita com a capacidade e sacrifício judeu, agora é provar o mesmo na Argentina judaica, numerosa e seleta."
 
De acordo com realidades absolutas e estabelecidos pelas missões e comitês técnico-científicos, a Argentina é a mais rica da terra no mundo, com grande área de população escassa, com climas diversos que vão desde do Ártico aos trópicos, ou seja, de -60 C a 60 C com paragens intermédias.
 
É o mais adequado para nosso povo, porque nós podemos acomodar todos de acordo com sua origem, se a partir da Sibéria ou da África.
 
Dada a fertilidade de seu solo e da variedade de seu clima, a Argentina é capaz de produzir qualquer tipo de plantio, de qualquer origem do mundo, as vantagens disso seria incalculáveis.
 
Como fazenda não é necessário referir.
 
Esta superprodução de alimentos e derivados, e da existência na Argentina desse enorme frigorífico natural, onde se pode acumular a produção de anos e anos, pode-se converter o país na dispensa do mundo, sem arriscar um único grão.
 
Adicionando a isso o espírito e gênio judaico, terá entendido as enormes vantagens que significam para ganhar o controle do mundo, e regulá-lo de acordo com nossa conveniência.
 
A enorme riqueza do subsolo da Argentina, especialmente a área montanhosa é infinito, não há minério no mundo que não tenha na Argentina, e em grande parte inexplorado, graças aos bons ofícios de nossos irmãos. "
 
Localização estratégica: Argentina é o país mais estrategicamente bem localizado em todo o mundo.
 
Fora milhares e milhares de quilômetros de futuras grandes frentes lutas globais.
 
Naquelas milhares de milhas podem ser escalonados defesas e mais defesas, o que torna praticamente impossível um ataque em seu território.
 
Acreditando que com os avanços modernos disponíveis para a guerra poderia atacar o território argentino, uma grande área é cercada pela Cordilheira dos Andes no chão do que pode ser construído cidades e permanecer neles se necessário, para todos os nossos povos, a instalação de nossa indústrias pesadas, leves, e até mesmo o consumidor permanecer neles por anos, e ser inexpugnável até mesmo para a bomba atômica.
 
Calculando a magnitude da guerra futura e suas características, não podemos ignorar que o Canal do Panamá serão levados nas primeiras fases da guerra.
 
Assim, a junção chave de dois oceanos permanecerão em nossas mãos. "
 
"Com essa bravíssima descrição vocês terão entendido e apreciado as imensas possibilidades judias envolvidas, de levar a execução do " Plano Andinia " ,e a conseqüente responsabilidade da Argentina judaica na sua realização.
 
"PLANO ANDINIA": O plano em si é muito simples, mas complexo em execução por que deverá ajustar-se às circunstâncias particulares que agora analisaremos concretamente".
 
Tendo em conta as considerações prévias do Dr.Herz ao conceber o Plano, onde faz citações específicas sobre a legislação internacional existente e sua aplicação a este caso, recomenda-se um minucioso estudo.
 
"Devo avisar que não pode e deve ser erros na execução física do plano.
 
Nós estamos vendo mais e mais freqüentemente, como novas nações emergem no cenário mundial.
 
Para que isso aconteça, deve haver uma razão.
 
Se este motivo não existe você tem que criá-lo. Para criá-lo você tem que planejar, organizar e preparar a sua aplicação.
 
Nenhuma oportunidade é mais favorável do que hoje.
 
Absolutamente tudo deve depender da habilidade dos judeus nesta emergência.
 
Estamos vendo que nesse momento esse motivo determinante não existe para criar a situação que nos favoreceria, portanto, seria, em princípio, para criar e aprofundar o caos e no processo de ações, promover a confusão, e aumento de corrupção "(este último especialmente no campo da política, administrativa, cultural, econômica e social)
 
"No campo econômico deverá acrescentar a corrupção administrativa e ilegal, para promover e aprofundar o lucro e especulação, trazendo miséria e injustiça ao extremo, especialmente para o povo dentro da zona ANDÍNA (Tucumán, Catamarca, La Rioja, Santiago del Estero), provocando desde a Capital Federal a demolição dos direitos Federais das províncias, reprimindo violentamente qualquer ato ou ação de auto-defesa por parte do povo.
 
E nestas violentas pressões de primeríssima necessidade, serão utilizadas tropas das Forças Armadas, especialmente do Exército. 
 
Esta ação produzirá confronto com as pessoas levando-os ao descrédito.
 
Consequentemente, provocará o enfraquecimento moral de seus membros e um profundo processo de desintegração que será motivado através do governo, causando confrontos sucessivos em seus centros, alcançando a caotização de seus quadros e corrupção de sua disciplina, atingindo o nível mais baixo de desempenho e eficiência. "
 
É essencial a opinião pública e todas as fontes de difusão que estão nas mãos de judeus, e que os judeus vão gradualmente monopolizando as ruas, oferecendo lutas.
 
Apressar o socialista-comunista e organizar as suas forças sem demora.
 
É essencial conseguir a integração do movimento peronista ao nosso socialismo, por qualquer meio, desencadeando a repressão violenta e perseguição contra o mesmo.
 
Estas medidas irão ter lugar a partir do nível mais alto do governo.
 
A corrupção, a pobreza, a injustiça, repressão, violência, ódio, engendra e reação, que por sua vez irá gerar desespero e lutas determinação, vingança e ação, independentemente contra quem ou conseqüências.
 
Assim, praticamente todos os trabalhos sobre estas metas convergem, regulando gradualmente ao longo do tempo: a injustiça, a fome, pobreza, corrupção, perseguição e prisão, o arrasamento dos direitos das províncias envolvidas, com filiais em todo o território do país.
 
Aqui estão os fatores determinantes para essas pessoas e essas províncias, cansados ​​e exaustos de tantas indignidades e miseravelmente levada à sua conclusão lógica, tomados em conjunto a determinação mais tremendo:
 
Romper todos os laços com o governo federal proclamou a sua independência como nação livre e soberana e buscar imediatas organizações globais reconhecidas como tais. Reconhecido para eles e para as quatro grandes potências mundiais, e definitivamente constituído Andínia e soberania assegurada.
 
A Argentina não será capaz de recuperar as províncias perdidas porque:
 
1) O povo argentino será mergulhado na confusão mais terrível.
 
2) Sua economia estará louca.
 
3) Com a amputação de território com a maior riqueza mineral, a Argentina será pastagem simples.
 
Você não tem o que oferecer para ajudar os bancos ou crédito globais.
 
4) Ficará sem suprimentos ou de reservas de combustível. Todos os locais de produção estão dentro Andínia.
 
5) será bloqueado cada tentativa de abastecimento externo.
 
6) Suas forças armadas têm agora uma fonte de combustível para dois dias. Será, portanto, incapazes de operar contra Andínia.
 
7) No caso improvável de que, apesar desses inconvenientes a Argentina consiga organizar seus exércitos e tentar invadir Andínia, você não pode fazê-lo, ele estaria atacando uma nação livre e independente, reconhecida internacionalmente como tal.
 
8) O resultado seria o desembarque das Forças Armadas Internacional e tomar uma posição em defesa das fronteiras desta nova nação, cumprindo os tratados internacionais.
 
Este Andinia ser definitivamente estabelecido e soberania assegurada.
 
"Como você viu, a missão que você tem a honra de realizar é complexa e extremamente importante.
 
Foi necessário engenhosidade e ousadia para a sua realização e eu vou dizer que a judiaria do mundo inteiro, e em especial Israel, estamos seguros de seu êxito, porque a engenhosidade e audácia são sinônimo de ser judeu. "
 
Depende de nós não seguir esses traidores, este PLANO DE EXPLORAÇÃO mal, POR AMOR do nosso grande país.
 
Chile é o segundo Israel na América Latina? 
 
 
 
foto google
 
CHILE O país com o Governo após ISRAEL mais judeu, ultrapassa EUA no percentual de pessoas de seu povo.
 
Em Israel e Chile comemoram a nação judaica tem 4 gabinete de Bachelet ministérios recente.
 
Estou revendo o Antigo Testamento, se alguma coisa sai com referência a esta terra foi dada por Yahweh, apenas obter as referências de Theodore Herzl, que disse em 1887:
 
"Em 50 anos na Palestina e Israel têm em 100 anos, a Nova Jerusalém na Patagônia Chilena, na Argentina."
 
O governo recém-eleito do Chile é o governo mais judaico do mundo, com três ministros judeus e um vice-ministro servindo no gabinete, nesta terça-feira o jornal israelense Yedioth Ahronoth. (Publicado 1st October 2011 por Julio Vega)
 
Os três ministros judeus chileno:. Eduardo Bitran, ministro das Obras Públicas, Clarissa Hardy, o ministro de Planificação e Cooperação e Karen Poniachik, o ministro de Minas e Energia.
 
Eles são unidos pelo Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros Alberto Van Klavren.
 
O presidente da comunidade judaica do Chile organizou uma festa em sua casa, o último fim de semana, em honra dos membros do gabinete judeus.
 
O embaixador de Israel para o Chile, David Cohen também participaram.
 
Conforme relatado anteriormente pelo Yedioth Ahronoth, um estudo realizado por uma importante organização judaica nos Estados Unidos revelou que a nação judaica [*] tem um número significativo de representantes nos parlamentos em todo o mundo, considerando que só tem o forçar de 13 milhões.
 
O estudo mostrou que 214 judeus servindo atualmente como legisladores e parlamentares em países ao redor do mundo.
 
Reflexão
 
O fato de Bachelet do Chile escolher diferentes religiões para se juntar a seu gabinete não tem nada de especial, mas quando estes são referidos em Israel como "membros da nação judaica" implica que obedecer a uma nacionalidade diferente da do Chile e não se temos um problema, que país são leais a estes cidadãos da nação judaica? O Chile ou Israel?.
 
E se levarmos em conta o papel desempenhado por Israel durante a ditadura de Pinochet no treinamento de torturadores nos prêmios que recebeu quando mataram os assassinos que consistem de viagem resistente e cursos especiais em Israel, o tráfico de armas para países em conflito inclusive na América Latina, a notícia da morte de Huber que aparece na última pesquisa.
 
E como cereja no bolo, o general-em-chefe das forças armadas chilenas recebeu um prêmio do Conselho Mundial Sionista pela sua contribuição para a causa ...... da Paz Mundial. (A Cheyre Prêmio sionista)
 
Tudo enquanto as forças armadas chilenas estão armados até os dentes gastos bilhões de dólares em todos os tipos de armas como se preparar para uma guerra de agressão.
 
Isso é muito engraçado e estranho, temos de estar atentos para o futuro.
 
A simples possibilidade de lacaios imperiais no poder, para converter o Chile num segundo Israel, é uma ponta de lança para a Andinoamérica.
 
Fonte: 
Livro de Jack Walters – Laguna
 
OCUPAÇÃO DAS MALVINAS PELA INGLATERRA... PARA REFLEXÃO!
Estamos profundamente preocupados – como a imensa maioria do povo argentino – pela conduta que o governo tem mostrado na guerra contra a Grã Bretanha. Não nos referimos a questões de técnica militar ou a detalhes das operações. Se bem que nesse sentido, os piratas receberam alguns bons golpes, como o de Sheffield. Referimos-nos à conduta de guerra em seu conjunto (política, militar, diplomática, econômica etc.).
A impressão, não só nossa, mas geral, é que o governo argentino conduz esta guerra como se a cada passo, timidamente, tivesse que “pedir permissão” e até “desculpar-se” por defender-se. O mais grave é que a “permissão” e as “desculpas” são pedidas ao imperialismo mundial que, encabeçado pelos Estados Unidos, tem feito causa comum com a Inglaterra.
Esta atitude tem dois graves efeitos:
 
 
· A Argentina faz a guerra, mas a faz com uma mão presa nas costas. Não golpeia com as duas mãos, nem ao menos dá pontapés. Não faz a guerra contra a Grã Bretanha em todos os terrenos até as últimas consequências, mas se autolimita (só responde aos contragolpes dos ataques militares britânicos, não expropria seus capitais, não aceita ajuda militar de outros países etc.). Atuamos acatando “as regras do jogo” que o imperialismo nos apresenta. Enquanto isso, a Grã Bretanha não só burla todos os “regimentos” e nos golpeia com ambas as mãos, como chama a ajuda dos Estados Unidos.
 
· O governo argentino não tem o eixo na guerra, mas na negociação. Lá em cima essas negociações são secretas, realizam-se pelas costas do povo e são levadas a cabo no antro imperialista que são as Nações Unidas. As declarações confusas de Costa Mendez ao canal [de TV] ABC dos EUA em 9 de maio: "não colocamos a soberania como condição para as negociações” – mesmo sendo depois retificadas, fazem-nos temer o pior.
 
Em resumo, o governo conduz a guerra como se não quisesse, ou temesse ganhá-la. Isso não é uma invenção nossa, foi dito por Costa Mendez: “Para a Argentina não interessa derrotar a Grã Bretanha” (La Prensa, 10/05/82). A Inglaterra nos bombardeia, mata soldados e assassina pescadores para roubar-nos novamente as Malvinas. Disse: Como vamos parar esses crimes se não os derrotamos?
 
Fontes:
 
 
 
 
Uma 'Nova Judea' na Patagônia?
 
 
 
Por Adrian Salbuchi
 
Há indícios alarmantes de que os Donos do Poder Mundial, em geral, e o sionismo internacional, em particular, estão tecendo uma complexa manobra tendente a criar um segundo Estado judeu na Patagônia argentina-chilena.
 
Esta estratégia de longa data hoje se vê potencializada e acelerada devido à situação insustentável do primeiro Estado judeu na Palestina ocupada. Em verdade, Israel é um ente político artificial que só pode sustentar-se pela violência e graças ao apoio incondicional que brinda os Estados Unidos: nação crescentemente idiotizada, desculturizada e, incluso, narcotizada.
 
Primeiro, vieram pela Argentina… 
 
Os Donos do Poder Mundial lograram um controle virtualmente total sobre a Patagônia argentina, não através da violência como na Palestina, mas através da imposição de governos decadentes e traidores na atual Argentina 'da democracia'.
 
Ao longo de mais de trinta anos, estes desarticularam todo vestígio de defesa territorial. Pior ainda, destruíram a educação e a consciência nacional substituindo o saudável nacionalismo herdado dos Pais da Pátria e da doutrina de Juan Perón por uma subcultura perversa, antinatural, antiestética e mentirosa. Neste sentido, podemos dizer que a Argentina é uma nação derrotada. E duplamente.
 
Sua primeira derrota foi militar: na guerra internacional pelas Ilhas Malvinas disparada em 1982 por uma geração de militares civis míopes e sem grandeza que caíram estúpidamente na armadilha feita pelo Reino Unido, Estados Unidos e OTAN. Resultado: essas potências hoje mantêm uma poderosa base militar nuclear frente às costas patagônicas, potencializada em 2008 com a reativação da Quarta Frota do Atlântico Sul ordenada pelo governo de George Bush.
 
Sua segunda derrota foi no plano político e cultural: ante o territorialismo marxista que desatou uma guerra social e civil na Argentina durante os anos 70 e 80, cujas dolorosas consequências a sociedade argentina segue sofrendo. Resultado: os guerrilheiros e terroristas derrotados no plano operacional uma vez, triunfaram no cultural e político e hoje ocupam a Casa Rosada, o Congresso e muitas multimídias na Argentina. Exemplos paradigmáticos: Nilda Garré de Abal Medina, Comandante Teresa quando integrava a guerrilha, ocupa o ministério da defesa e hoje o de segurança interior sob poder dos Kirchner; Horacio Verbitzky, ex-chefe de inteligência do grupo terrorista Montoneros hoje dirige o jornal fundamentalista pró-Kirchner 'Pagina 12'.
 
Um triste barômetro da decadência intelectual e moral que infecta as outrora poderosas forças armadas argentinas o comprovamos de maneira em que desde há trinta anos seus chefes militares toleram submissamente todo tipo de insultos, humilhações e vexações, incluso, o de ser 'mandados' por uma 'comandanta' em chefe bipolar. Sucessivas cúpulas militares tornaram-se uma corporação frouxa e amorfa que parece ter esquecido seu juramente de defender o território nacional ante graves perigos externos e internos que espreitam.
 
No caso da Patagônia argentina, seguramente veremos estes 'chefes' militares de joguete chorar amanhã como mulheres porque hoje não se atrevem a defender como homens.
 
Agora o Chile!
 
Mas os poderes mundialistas e sionistas não operam somente de um lado dos Andes em sua vocação dissociadora e infiltradora. O avanço do sionismo internacional que deseja ver um segundo Estado judeu na Patagônia também o verificamos na República do Chile, cujo presidente Sebastián Piñera nomeou em Novembro 2012 Rodrigo Hinzpeter como ministro de defesa, um homem iintimamente vinculado ao Estado de Israel e participante regular do Comitê Judeu-Americano. Antes de fazer-se cargo desta importância pasta, Hinzpeter se desempenhava vários anos como ministro do interior.
 
 
Em um amplo informe do jornal chileno 'O Cidadão' a dupla Piñera-Hinzpeter pretende redimensionar a defesa chilena para que “se enquadre com a tríada dos Estados Unidos-Colômbia-Israel”, agregando que “tudo aponta a que Hinzpeter manterá uma doutrina de defesa e política militar semelhante à de Colômbia, e alinhará Chile com os objetivos do Comando Sul dos Estados Unidos estabelecidos para a base que construíram em Concón”. Apesar de estar formalmente assinada a “tarefas de Forças de Paz de Nações Unidas”, a dependência de mando e operação responde ao Comando Sul do Exército dos Estados Unidos.
 
Hinzpeter e Piñera parecem coincidir em apoiar a política de 'defesa' que desejam impor os Donos do Poder Mundial, porquanto na base militar de Concón já existe um comando de Operações Militares em Territórios Urbanos.
 
Seguramente, se avançará no plano de reorientar as forças armadas chilenas a “combater a insurgência, a delinquência e o narcotráfico”, igual que no México e Colômbia. Ou seja, umas forças armadas com funções já não de defesa territorial ante ameaças extra-continentais, mas de segurança e controle policial interno. Assim, no futuro poderão operar como controladores da população local, alinhadas aos objetivos e interesses financeiros, econômicos, políticos e sociais do vindouro Governo Mundial.
 
Agrega este informa que “tudo indica que da mão do presidente Piñera, Hinzpeter fará todo o possível para impulsionar a denominada 'Primeira Estratégia Nacional de Segurança e Defesa'” que, em concreto, abre a porta para que as forças armadas chilenas participem em operações de repressão de seus cidadãos dentro do território nacional, com a desculpa de “combater a delinquência em suas distintas expressões”.
 
Quando Bebastian Piñera assumiu como presidente do Chile em 2011, a Agência Judia de Notícias titulou esta notícia salientando que “um judeu será o próximo ministro do interior e chefe de gabinete do presidente eleito Piñera”. Claramente, na Embaixada de Israel em Santiago, em Tel Aviv e entre as poderosas organizações sionistas e judias o encobertamente de Hinzpeter no governo do Chile não passou desapercebido.
 
Continua este informe salientando que “diversos meios destacaram que o atual titular do cargo de defesa é muito próximo ao American Jewish Committee (Comitê Judeu Americano), poderoso grupo de pressão sionista nos Estados Unidos e América Latina, que opera mancomunadamente dentro de uma nutrida rede de grupos de pressão e poder sionistas pró-Israel na região e no mundo inteiro.
 
Se salienta também que em Março de 2011, enquanto o presidente Piñera se encontrava de giro pelo Oriente Médio, uma delegação do Comitê Judeu-Americano conformada por 18 membros foi recebida silenciosamente no Palácio da Moeda em Santiago pelo ministro Hinzpeter e os embaixadores dos Estados Unidos, Inglaterra e Israel. Tal visita se extendeu por três dias, mas a imprensa nacional manteve 'discreto silêncio' sobre a mesma, sobre o que se discutiu, quem assistiu e a que acordos chegaram.
 
Já em 2006 Hinzpeter participou em um congresso de comunidades judias latinoamericanas organizado pelo comitê Judeu-Americano em Miami. A declaração final indicada no sítio do Comitê afirma que os representantes das diversas comunidades envolvidas “ratificam sua solidariedade com o Estado de Israel em sua legitimidade histórica”. Escrevendo no boletim 'Palavra Israelita', o dirigente direitista da comunidade judia chilena, Gabriel Zaliasnik, asseverou que o ministro de defesa é das “pessoas com inclinações políticas e com interesses de que a causa de Israel” seja apoiada. O parlamentário chileno Eugenio Tuma, por sua vez, manifestou que Hinzpeter “é um militante da causa israelita”.
 
Em 5 de Novembro de 2012, 'El Ciudadano' publicou um cartaz que afirmava que Rodrigo Hinzpeter tinha feito o serviço militar em Israel, salientando o inconveniente de que alguém com esses supostos antecedentes assumisse o cargo de chefe do ministério de defesa chileno, o que disparou a ira da comunidade judaica do Chile. Parecia que Hinzpeter “foi a Israel para fazer seu serviço militar ao terminar sua educação secundária, o que normalmente dura dois anos, e três para os que seguem sua formação no aparato de Inteligência do Mossad”. Seja como for, Hinzpeter jamais esclareceu que foi a Israel, se em efeito fez o serviço militar ou se recebeu algum tipo de instrução armada nesse país, e tampouco negou que mantenha vínculos com o Mossad, o serviço de inteligêcia israelita.
 
Como salienta o analista geopolítico argentina Leopoldo Markus, “os perigos atuais das forças armadas e do Estado chileno, tanto da designação de Hinzpeter como da doutrina oficial daquelas, é que resulta funcional aos interesses do comando Sul dos EUA e de Israel. Mais além dos argumentos justificatórios da intervenção interna das forças armadas chilenas na luta contra o narcotráfico e o crime organizado, ele encobre o objetivo de que se fazem preparadas para reprimir possívels futuros levantes da população chilena”.
 
Markus agrega que, incluso uma bem treinadas, equipadas e “reorientadas” forças militares chilenas estariam sempre prontas para cumprir o rol de força de intervenção rápida contra Argentina, Bolívia ou Perú em caso de se produzir revoluções nacionais ou populares que enfrentem o imperialismo e seus agentes nativos.
 
Apontando à Patagônia
 
No que pertence à Patagônia argentina, esta hipótese não é para nada louca, considerando a vil política 'desmalvinizadora' e de desarme unilateral que, sob pressão angloestadounidense, vêm impulsionando sistematicamente sucessivos governos da Argentina 'da democracia': desde Alfonsín e Menem, até Matrimonio Kirchner.
 
A Armada Argentina é hoje obsoleta pela falta de renovação de material, mantimento, combustível e substituições, facilitando assim a depredação pesqueira ilegal e o roubo descarado do petróleo argentino no Mar Argentino desde a base inglesa 'Fortaleza Falklands'. Similarmente, a Força Aérea Argentina apenas pode voar com suas unidades dilapidadas carentes de mantimentos e combustíveis. Nem sequer se recolocaram as aeronaves de combate perdidas na heróica ação liberada contra a Inglaterra durante a Guerra Malvinense de 1982.
 
Pior ainda é a situação do Exército Argentino, desarmado quase totalmente e sobre cujos oficiais pesa a maior carga revanchista dos guerrilheiros passados que hoje usurpam o poder nesse país.
 
Dentro desta ampla estratégia de indefesa nacional, o abandono unilateral dos programas argentinos nuclear, balístico e aeronáutico – entregados covarde e traidoramente ao inimigo angloestadounidense por Alfonsin e durante a Década Infame do governo de Carlos Menem – se soma a retirada argentina da Antártida, a destruição dos quebra-gelos Almirante Irizar, e a desonra covarde da fragata-escola Libertad da Armada a mãos de fundo abutre do sionista pró-gay Paul Singer, graças à imperícia e irresponsabilidade do governo Kirchner no manejo da dívida externa.
 
Em síntese, a incursão de rodrigo Hinzpeter no ministério de defesa chileno indica que os EUA e Israel potencializam sua intervenção decisiva na formulação de políticas tendentes a 'assegurar a ordem' do povo chileno ante a crescente consolidação da presença sionista em toda a Patagônia. A Argentina a têm integralmente sob seu controle; agora chegou o momento de 'apertar as porcas' contra o Chile.
 
Então, fica a proposta para uma outra reflexão; Se foram mesmo os Sionistas os inventores do Nazismo, que, segundo muito autores, basicamente só matou os judeus pobres que não puderam escapar e que com esse Holocausto provocado fabricou-se as justificativas para o Estado de israel, não seria natural abrigar e proteger Hitler, o líder do Nazismo, em seus últimos dias?
 
Como explicar a grande presença judaica na região e ao mesmo tempo ser este o lugar de escolha como rota de fuga para tantos líderes nazistas? 
 
Haverá uma estreita conexão ou apenas uma enorme e fantasiosa coincidência? Porque as vítimas e seus inimigos, principalmente os líderes, fogem para o mesmo lugar?

 

Comentários

Carlos em 10/06/2017 16:01:07
Essa matéria é tão ignorante que ja começou dizendo dois erros de analfabeto mesmo!
1 - De que Judeus Ocupam terras .
2 - Dizer que tais terras são de Palestinos . E deste qdo existiu Povo Palestino? São apenas Árabes,,e Canaã jamais foi dos Árabes!
.Tive pena de quem formulou essa matéria sobre tal Plano!!! - Isso tudo é devido a NAO CRENÇA na Promessa de DEUS cumprida sobre ISRAEL Atual??? -
Esse papo todo Anti Sionismo é justamente A INVEJA dos JUDEUS Ortodoxos que não creem em Cristo o Messias!!!
.
POIS,,VIVA O MOVIMENTO SIONISMO E O ESTADO JUDEU!! VIVA CANAÃ,,TERRA DOS JUDEUS E NUNCA DE ÁRABES!!
.Eu ri logo de cara com o Segundo Parágrafo!!!! kkkkk
.
Quisera o Brasil e os 4 cantos do mundo,,,,se Israel e EUA tomasse conta !

Enviar comentário

voltar para Conhecendo Mais Sobre...

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||