A misteriosa ligação recebida por um jornal inglês 25 minutos antes do assassinato de Kennedy

27 de outubro de 2017.

 

Às 18h05 (horário local) de 22 de novembro de 1963, o jornal regional britânico Cambridge News recebia um misterioso telefonema. A chamada, anônima, apenas se referia a "uma grande notícia nos Estados Unidos".

Vinte e cinco minutos depois, o presidente americano John F. Kennedy era alvejado em Dallas, no Texas. O 35º presidente dos Estados Unidos foi morto a tiros enquanto desfilava com a primeira-dama Jacqueline Kennedy em uma limusine cor-de-rosa aberta. O caso alimenta teorias da conspiração até hoje.

Publicidade

O telefonema britânico foi registrado em um memorando em 26 de novembro daquele ano, tornado público pelos Arquivos Nacionais dos EUA em julho, mas passou despercebido. Agora, volta a ser revelado com uma leva de documentos relacionados ao assassinato e sua investigação, que perderam o status de confidencialidade nesta quinta-feira.

O memorando, escrito pelo vice-diretor do FBI James Angleton ao então chefe da agência, J Edgar Hoover, informava que o serviço de inteligência britânico MI5 havia apurado que o misterioso telefonema fora feito a um repórter sênior do jornal de Cambridge.

"O autor da ligação disse apenas que o repórter do Cambridge News deveria telefonar à Embaixada dos EUA em Londres para uma grande notícia e então desligou", dizia o memorando.

"Após saber da morte do presidente, o repórter informou a polícia de Cambridge do telefonema anônimo e a polícia informou o MI5. A questão importante é que a ligação foi feita, segundo os cálculos do MI5, cerca de 25 minutos antes de o presidente ter sido alvejado. O repórter nunca havia recebido uma ligação desse tipo antes, e o MI5 afirma que ele (jornalista) é conhecido deles como uma pessoa sensata e leal, sem nenhum histórico (de problemas) de segurança."

O memorando acrescentou que telefonemas anônimos similares "de uma natureza estranhamente coincidente" haviam sido recebidos por pessoas no Reino Unido ao longo do ano anterior, "particularmente em conexão com o caso de Dr. Ward" - uma aparente referência ao médico Stephen Ward, personagem central do escândalo político britânico chamado Caso Profumo, que abalou o governo conservador no início dos anos 1960.

A atual equipe do Cambridge News diz desconhecer a identidade do repórter que recebeu o telefonema, mas vai localizar antigos repórteres dos anos 1960 para tentar descobrir.

"É (uma história) de cair o queixo", afirma a repórter Anna Savva. "Não temos nada a respeito em nosso arquivo, e ninguém (na redação do Cambridge News) sabe o nome da pessoa que recebeu o telefonema."

Em um vídeo postado no site do jornal, o chefe de reportagem Chris Elliott diz que a incógnita inicialmente veio à tona nos anos 1980.

"Um advogado de Londres, Michael Eddowes, começou a investigar um documento que supostamente conseguiu na CIA (agência de inteligência dos EUA)", disse.

"Nesse documento, mencionava-se um telefonema feito ao Cambridge News advertindo que algo grande ia acontecer. (...) Não sabemos se o telefonema de fato foi feito, não sabemos qual repórter recebeu o telefonema e não sabemos qual seria a razão para alguém telefonar para um jornal de Cambridge a respeito disso."

Elliott disse que o advogado Eddowes, que morreu em 1992, "estava convencido de que havia algum tipo de conspiração" e que o telefonema pode ter sido um entre vários feitos a jornais e outros veículos de imprensa para tentar fomentar a ideia de que a morte de Kennedy fora orquestrada.

Fonte: BBC

Enviar comentário

voltar para Artigos

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||