Qumran e os Manuscritos do Mar Morto

Khirbet Qumran (nome árabe moderno) está localizado na Cisjordânia, perto da borda norte do Mar Morto e é o lugar onde os Manuscritos do Mar Morto foram encontrados em cavernas próximas.
 
O primeiro assentamento foi criado durante a Idade do Ferro, mas foi abandonada há cerca de 2.600 anos, muito antes dos pergaminhos terem sido feitos. Trabalhos arqueológicos indicam que um segundo assentamento existiu entre cerca de 100 AC e 68 DC, quando foi capturada pelo exército romano e destruída num incêndio. O calor era tão intenso que modernos arqueólogos encontraram vasos de vidro "derretido". É neste povoado que muitos estudiosos acreditam que pelo menos alguns dos Manuscritos do Mar Morto foram escritos antes de serem escondidos.
 
Os primeiros exploradores encontraram Qumran, no século XIX, e o local ganhou nova importância com a descoberta dos Manuscritos do Mar Morto. Os pergaminhos foram encontrados primeiramente em 1946 ou 1947, quando um jovem pastor com o nome de Muhammed Edh-Dhib estava a procurar uma cabra perdida. Durante década seguinte, pesquisadores locais beduínos e cientistas iriam descobrir os restos de mais de 900 manuscritos em 11 cavernas. Cada caverna está localizada perto de Qumran, a mais distante localizando-se a pouco mais de uma milha (1,6 km) a norte do local.
 
Os pergaminhos encontrados incluem cópias do Génesis, Êxodo, Isaías, Reis e Deuteronômio, entre outras obras canónicas da Bíblia hebraica. Eles também incluem calendários, hinos, salmos apócrifos (não-canónicos) bíblicos e regras da comunidade. Um pergaminho é feito de cobre e descreve a localização de um tesouro enterrado. Não houve evangelhos do Novo Testamento encontrados nas cavernas.
 
Estudo dos estilos de letra dos manuscritos, junto com datação por carbono-14, indicam que eles foram escritos entre cerca de 200 AC e 70 DC, com o pergaminho de cobre tendo sido escrito talvez algumas décadas mais tarde. A grande maioria dos pergaminhos são escritos em hebraico com um número menor em aramaico e apenas alguns em grego (embora o grego fosse um idioma popular na época). A maioria dos pergaminhos foram compostos em couro (pele de cabra e de ovelha em particular).
 
Uma análise recente de têxteis encontrados com os pergaminhos mostra que os tecidos foram originalmente usados como roupa. Eles são todos feitos de linho (mesmo que a lã fosse a peça mais popular na época) com a maioria deles sem decoração. Os pesquisadores afirmam que, de acordo com relatos históricos esses tecidos são semelhantes ao que as pessoas pertencentes a uma antiga seita, chamada essênios, usava.
 
Qumran é muito pequena e nunca cresceu muito acima de um acre. A sua população pode não ter sido maior do que algumas dezenas de pessoas. Um trabalho arqueológico recente de Yitzhak Magen e Yuval Peleg da Autoridade de Antiguidades de Israel indica que em torno de 100 AC um posto militar avançado dos Hasmoneus, com uma torre de vigia e estábulos foi construído em Qumran. Os Hasmoneus foram uma dinastia de governantes judeus que controlavam um estado centrado na moderna Israel.
 
Em 63 AC, os romanos tomaram o controle do reino dos Hasmoneus, e trabalhos arqueológicos indicam a transição de Qumran para o uso civil. Magen e Peleg escrevem que por volta deste tempo, o fornecimento de água do local foi "triplicado" com a construção de um aqueduto e piscinas adicionais. Ao todo, Qumran tinha oito piscinas escalonadas que alguns pesquisadores acreditam ser banhos rituais conhecidos como mikveh.
 
Porque o abastecimento de água foi aumentado é uma questão de debate. Um padre chamado Roland de Vaux, que escavou em Qumran há cerca de 50 anos atrás, e observou pela primeira vez as piscinas de água em degraus, argumentou que a população do local foi aumentando e a expansão do sistema de água foi necessário para beber e para banhos.
 
Magen e Peleg argumentam que isso é improvável. As suas escavações mostram que espaços residenciais em Qumran não aumentaram e que apenas dois ou três das piscinas foram escalonadas ritualmente adequadas para ser usadas como mikveh. Os pesquisadores afirmam que a produção de cerâmica foi a razão para o sistema de água de Qumran expandir. Eles apontam que "dezenas de milhares de fragmentos de cerâmica" foram encontrados em Qumran e suas escavações revelam que pelo menos uma grande piscina tinha uma grossa camada de argila do oleiro.
 
O povo de Qumran era aparentemente empenhado em escrever. Escavações de Vaux revelaram uma sala que ele chamou de "scriptorium", que tinha dois tinteiros, juntamente com bancos. Ele poderia ter sido usado para escrever pergaminhos e/ou registos de negócios, dependendo de como o local é interpretado. Qumran tem três cemitérios, sendo o cemitério principal localizado a leste do local. Estima-se que 1.000 túmulos estão localizados neles, alguns que datam do tempo de Qumran, mas outros datam de muito mais tarde.
 
Até agora, 46 túmulos foram escavados e publicados, dos quais 32 podem ser datados do tempo de Qumran, a maioria deles homens adultos. A completa falta de crianças e a presença de (no máximo) de apenas cinco mulheres sugere que um grupo monástico composto principalmente de homens vivia em Qumran.
 
Veja mais em : Segredos da Arqueologia Bíblica o maior acervo sobre arqueologia bíblica do Brasil
http://segredosdaarqueologiabiblica.blogspot.com.br/
 
 

Comentários

jose robson em 29/11/2017 15:14:30
muito bom


Enviar comentário

voltar para Arqueologia Bíblica

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||